A+ A-

quarta, 22 de maio de 2024

Busca

quarta, 22 de maio de 2024

Link WhatsApp

Entre em nosso grupo

2

WhatsApp Top Mídia News
Economia

há 6 anos

A+ A-

Água é retirada de poços da Sanesul para estudos sobre Aquífero Guarani

O estudo será elaborado pelo geólogo Roberto Eduardo Kirchhem

O geólogo Roberto Eduardo Kirchhem está realizando a coleta de amostras de água de poços profundos da Sanesul, que captam água do Aquífero, nas cidades de Aparecida do Taboado, Paranaíba, Inocência, Sidrolândia, Maracaju, Dourados, Douradina, Ponta Porã, Itaporã, Amambai e Rio Brilhante para elaborar um estudo de datação das águas profundas do Aquífero Guarani.

“Fomos super bem recebidos pela equipe da Sanesul onde estivemos. Conheço várias empresas de saneamento, e as instalações da Sanesul são excelentes, atendendo todas as normas. Para quem encara a água como ponto de acesso ao estudo científico, é excelente encontrar instalações assim”, disse o geólogo.  

O objetivo do estudo é estimar a idade da água. Diante disso, são coletadas duas amostras da água para que seja feita análise química (que depois será disponibilizada de graça para a Sanesul, tendo em vista que são análises mais abrangentes das que as empresas de saneamento costumam fazer) e a análise de isótopos de oxigênio e de hidrogênio, a partir das quais é possível obter dados como o clima da terra no momento que a água entrou no subsolo.

De acordo com o geólogo, a água do Aquífero em Mato Grosso do Sul tem no mínimo 150 mil anos. Conhecendo a velocidade desta água, é possível identificar a distância que ela penetrou no subsolo. “A partir destas informações, conseguimos fazer a gestão do Aquífero como um todo. Já estudamos o modelo de fluxo da água do Aquífero e agora estamos querendo corroborar as linhas de fluxo para conseguir entender a dinâmica do corpo aquífero e aí partir, em uma segunda etapa, com cálculos matemáticos, fazendo o balanço de entrada e saída, conseguir saber quanta água tem e quanto pode tirar, quanto pode tirar, o que é uma informação preciosa para os órgãos gestores e companhias de saneamento”.

Conforme Roberto, é pouco provável que a água do Aquífero seque, tendo em vista o grande volume, mas o que pode acontecer, mas não em Mato Grosso do Sul, porque aqui o Aquífero está confinado, é o rebaixamento dos níveis e a baixa pressão da água nestes pontos.

“A Sanesul sempre procurou liberar para pesquisa seus dados técnicos, até porque as informações pesquisadas também nos ajudam bastante.Neste caso, como trabalhamos com outorga (de direito de uso de recursos hídricos) concedida pelos órgãos ambientais, não se pode explorar uma capacidade ilimitada, temos que ter uma reserva inferida, saber o que pode ser retirado para ver se não está acima da capacidade do Aquífero. Isso é o manejo dos recursos, por isso estes estudos todos nos auxiliam bastante para dimensionar, fazem um estudo do Aquífero como um todo”, afirma o gestor de processo de Hidrogeologia da Sanesul, Antônio Carlos Benatti.

A coleta das amostras de água nos poços da Sanesul termina nas próximas semanas, e o resultado final da pesquisa será publicado em 2019.

 

 

 

Loading

Carregando Comentários...

Veja também

Ver Mais notícias
JARDIM VERANEIO MAIO E JUNHO DE 2024