Menu
segunda, 26 de outubro de 2020
Economia

Governo Federal tenta conter aumento nas tarifas de energia em 2014

Energia Elétrica

15 janeiro 2014 - 08h00Por Valor Econômico

A Eletrobras divulgou ontem (14), que para reduzir as contas e luz e evitar o aumento na tarifa de energia foram gastos R$ 22,6 bilhões em 2013. Somente com indenizações pagas às geradores que renovaram contratos antecipadamente, a empresa disponibilizou R$ 12,7 bilhões. Já os custos para conter o impacto no preço da energia das termelétricas, ligadas em razão da falta de chuvas totalizaram R$ 9,9 bilhões.

 

A conta de 2014 também será pesada. Há um saldo de R$ 8,2 bilhões em indenizações que o governo deve às geradoras que aderiram ao novo modelo do setor elétrico. Além disso, a União terá de ressarcir as empresas pelos investimentos feitos nas transmissoras de energia antes de 2000 em razão da modernização de equipamentos das geradoras. O setor estima essa conta em R$ 13 bilhões. A boa notícia é que custo do uso das térmicas deve cair. Contando com chuvas mais intensas, o governo separou R$ 9 bilhões no Orçamento para essas despesas.

 

A Reserva Global de Reversão (RGR), fundo que bancou as indenizações em 2013, terminou o ano com R$ 204 milhões em caixa. A Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), outro fundo do setor elétrico usado para evitar o aumento das tarifas, tinha R$ 30 milhões no fim de novembro. Ou seja, a pressão sobre o caixa do Tesouro Nacional deve aumentar, já que as fontes de recursos que financiaram os subsídios ao setor elétrico e a redução das tarifas em 2013 estão minguando.

 

Apenas parte dos gastos, cerca de R$ 8 bilhões, afetou as contas públicas e reduziu o superávit primário em 2013. A maior parcela dos R$ 22,6 bilhões, apesar de ter financiado a redução nas contas de luz, saiu da RGR, fundo da década de 50 formado por contribuições das empresas. Eles não são contabilizados no Orçamento da União e, portanto, suas receitas e despesas não afetam as estatísticas fiscais do governo.

 

Outro impacto da política de contenção da conta de energia e dos preços dos combustíveis se deu na arrecadação de ICMS sobre o grupo de preços administrados. A fatia desses recolhimentos recuou de 35,4% em 2012 para 33% no ano passado em todo o país, até setembro. Em São Paulo, o recolhimento de ICMS sobre a energia recuou 18,3% em termos reais até novembro.

 

Fonte: Valor Econômico

Leia Também

Marroquino tenta matar esposa com faca durante encontro com amigo no Carandá Bosque
Polícia
Marroquino tenta matar esposa com faca durante encontro com amigo no Carandá Bosque
'Jhon Lenon'  é esfaqueado pela mulher e morre sentado em cadeira em Dourados
Interior
'Jhon Lenon' é esfaqueado pela mulher e morre sentado em cadeira em Dourados
Mulher é esfaqueada pelo marido e morre
Geral
Mulher é esfaqueada pelo marido e morre
PM prende homem que estava atirando para comemorar aniversário no Vespasiano Martins
Polícia
PM prende homem que estava atirando para comemorar aniversário no Vespasiano Martins