(67) 99826-0686
PMCG - SLOGAN 17/06 A 30/06

Produção do Pré-sal bate recorde para 400 mil barris ao dia, divulga Petrobrás

Petrobrás

25 FEV 2014
Valor Econômico
14h02min
Divulgação

A Petrobras anunciou que a produção de petróleo no pré-sal das Bacias de Santos e Campos atingiu, em 20 de fevereiro, recorde de produção diária com 407 mil barris por dia. Segundo a empresa, o recorde está associado à entrada em operação do poço 9-SPS-77 em 18 de fevereiro.

 

Trata-se do primeiro poço produtor a começar a operar por meio da primeira boia de sustentação de risers (BSR), instalada na plataforma Cidade de São Paulo, no campo Sapinhoá. No dia 7 de fevereiro foi concluída a instalação da segunda boia, na plataforma Cidade de Paraty.

 

“A marca de 407 mil barris por dia foi obtida com contribuição de 21 poços produtores. Isso evidencia a elevada produtividade dos campos já descobertos no pré-sal”, disse a petroleira em comunicado.

 

Ainda em 2014, explica a companhia, entrarão em operação mais três novas plataformas, a P-58, no campo de Norte Parque das Baleias no primeiro trimestre, a plataforma Cidade de Ilhabela no terceiro trimestre, no campo d e Sapinhoá, e a plataforma Cidade de Mangaratiba no quarto trimestre, no campo de Lula.

 

Entre 2015 e 2016, outras oito novas plataformas entrarão em produção e permitirão que a companhia alcance a marca de produção de 1 milhão de barris por dia no pré-sal. Além do recorde na produção, a empresa obteve nova marca no tempo de construção dos poços no pré-sal.

 

Bacia de Campos - Considerando a gestão dos reservatórios da Bacia de Campos, a Petrobras afirmou que produz no local um barril de água por dia a cada barril de petróleo obtido. Essa relação, segundo a empresa, é inferior à média mundial, que aponta relação de três a cinco barris de água para cada um de petróleo.

 

“O declínio natural da produção da Bacia de Campos vem se mantendo abaixo de 10% nos últimos dois anos, percentual inferior ao padrão mundial, que indica valores de declínio entre 10% e 14% para campos marítimos”.

 

 Fonte: Valor Econômico

Veja também