Menu
domingo, 13 de junho de 2021
Economia

SOCORRO FINANCEIRO: MS recebe R$ 175,5 milhões do governo Bolsonaro

Desse total, R$ 20 milhões estão destinados ao combate do novo coronavírus

09 junho 2020 - 12h40Por Diana Christie

O Governo Federal depositou, nesta terça-feira (9), a primeira parcela do socorro financeiro para Mato Grosso do Sul, no valor de R$ 175,5 milhões. Desse total, R$ 20 milhões estão destinados ao combate do novo coronavírus.

A lei aprovada pelo presidente Jair Bolsonaro prevê R$ 60,15 bilhões para estados e municípios enfrentarem os efeitos econômicos da pandemia. Mato Grosso do Sul vai receber R$ 1,16 bilhão dividido em repasses programados para junho, julho (13), agosto (12) e setembro (11).

Segundo a assessoria do governo, o valor corresponde aos recursos destinados ao Estado (R$ 702 milhões) e às 79 prefeituras (R$ 461 milhões). 

“O apoio chega em um momento crucial de paralisação das atividades econômicas e queda vertiginosa da arrecadação”, destaca o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Para ele, o dinheiro está abaixo do ideal, “mas [é] um alívio diante da pandemia que tem provocado mortes e prejuízos”.

Azambuja estima perda de R$ 1,2 bilhão nas contas do Estado neste ano. “Por conta disso, vamos continuar trabalhando com cortes de despesas e adaptando setores cruciais da administração a este momento de extrema dificuldade”, explica.

Os valores depositados hoje serão utilizados no custeio da máquina e em ações emergenciais, em especial nos investimentos direcionados para setores ligados ao combate do coronavírus.

“Nesta situação, não dá para prever o dia de amanhã. Estamos focados na pandemia e por isso mesmo precisamos atender demandas que vão surgindo no setor de saúde. Os R$ 20 milhões direcionados ao combate serão muito bem utilizados, mas ainda é um valor que precisa ser reforçado para continuarmos atendendo os 79 municípios”.

De acordo com a assessoria do governo, além do auxílio financeiro, a Lei Complementar suspende o pagamento da dívida dos estados e municípios com a União até dezembro de 2021.

Com a medida, Mato Grosso do Sul vai economizar cerca de R$ 40 milhões por mês. Juros e demais tributos serão cobrados após o congelamento