Menu
quinta, 29 de julho de 2021
SEGOV - MICROCREDITO 27 A 29/07
Economia

Taxa básica de juros tem segunda queda consecutiva e fica em 13,75% ao ano

Copom destaca ainda, entre outros fatores, que as projeções para a inflação de 2016, nos cenários de referência e mercado, recuaram e se encontram em torno de 6,6%

30 novembro 2016 - 18h14Por Agência Brasil
Taxa básica de juros tem segunda queda consecutiva e fica em 13,75% ao ano

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) anunciou hoje (30) uma nova redução dos juros básicos da economia (Selic), de 0,25% ponto percentual. A taxa, que estava em 14% ao ano, caiu para 13,75% ao ano. A decisão foi unânime.

No mês passado, o comitê também reduziu a Selic em 0,25 ponto percentual, a primeira queda em quatro anos.

De acordo com comunicado divulgado pelo BC após a reunião, “a inflação recente mostrou-se mais favorável que o esperado, em parte em decorrência de quedas de preços de alimentos, mas também com sinais de desinflação mais difundida”.

O Copom destaca ainda, entre outros fatores, que as projeções para a inflação de 2016, nos cenários de referência e mercado, recuaram e se encontram em torno de 6,6%. As projeções para 2017, nos cenários de referência e mercado, situam-se em torno de 4,4% e 4,7%, respectivamente. Para 2018, as projeções encontram-se em torno de 3,6% e 4,6%, nos cenários de referência e mercado, respectivamente. Além disso, na visão do comitê, os passos no processo de aprovação das reformas fiscais têm sido positivos até o momento.

Principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação, a taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Quando o Copom aumenta a taxa, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Quando mantém a taxa, o Copom considera que ajustes anteriores foram suficientes para alcançar o objetivo de controlar a inflação.

No Relatório de Inflação, divulgado no fim de setembro pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerre 2016 em 7,3%. O mercado financeiro já estima um índice menor. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, a inflação oficial fechará o ano em 6,8%.

Leia Também

Vídeo: vereador distribui sopão em noite com frio de 10º em Campo Grande
Cidade Morena
Vídeo: vereador distribui sopão em noite com frio de 10º em Campo Grande
Vídeo: políticos saem na porrada durante debate em TV
Geral
Vídeo: políticos saem na porrada durante debate em TV
Pacientes com suspeita de covid denunciam dia de descaso na UPA Coronel Antonino
Cidade Morena
Pacientes com suspeita de covid denunciam dia de descaso na UPA Coronel Antonino
Apoiador de Lula que incendiou estátua dá 'desculpa esfarrapada' e é preso em SP
Geral
Apoiador de Lula que incendiou estátua dá 'desculpa esfarrapada' e é preso em SP