Menu
terça, 22 de setembro de 2020
Geral

Bebê prematuro morre após bolsa romper e médico de hospital mandar mãe voltar para casa

Gestante começou a sentir as contrações, foi internada e recebeu alta dois dias depois de procurar hospital público

24 março 2019 - 11h10Por Da redação / G1

Uma gestante perdeu um bebê prematuro após sua bolsa romper e ela ser orientada pela equipe médica de um hospital de Praia Grande, no litoral de São Paulo, a retornar para casa usando uma fralda. Mariana Aparecida Costa, de 27 anos, estava grávida, há sete meses, de um menino, cuja responsabilidade da morte é atribuída por familiares à negligência. A gestora do hospital nega irregularidades.

Uma parente de Mariana, que pediu anonimato, relatou que a gestante foi encaminhada ao Hospital Irmã Dulce após sentir dores e perceber que sua bolsa amniótica havia estourado. Na unidade, exames apontavam que o bebê apresentava bom estado de saúde. A familiar afirma, no entanto, que o médico que atendeu informou que a gestante não apresentava "dilatação suficiente para que o parto fosse realizado".

A paciente ficou em observação na maternidade de quarta-feira (20) até sexta-feira (22), quando recebeu alta e foi orientada pelo obstetra a retornar para casa utilizando uma fralda. Ainda conforme relato de familiares, ela deveria voltar ao hospital caso viesse a sentir dores, o que aconteceu durante a madrugada de sábado (23).

Após sentir as contrações, ela e o marido procuraram novamente a equipe do Hospital Irmã Dulce por volta das 2h. Após passar a madrugada recebendo soro, os médicos decidiram realizar o parto normal após Mariana aguardar mais oito horas, momento em que os profissionais perceberam que o bebê havia falecido.

"É revoltante, a família está toda abalada, acabamos de perder um bebê. E cada um dá uma desculpa e se contradiz. O mesmo médico já chegou a dizer que o bebê estava bem nos primeiros exames, agora diz que ele estava morto há dois dias", desabafa a parente de Mariana.

A paciente permanece internada no mesmo hospital e, apesar de estar em bom estado clínico, ela está abalada pela morte do bebê: "A Mariana tem dois filhos, um de 7 e outro de 5 anos, e como a gente conta para eles que o irmãozinho morreu? É triste demais", lamenta.

Por meio de nota, a direção do hospital confirmou que recebeu a gestante, que foi avaliada e internada. "Recebeu toda a assistência necessária ao seu caso, realizando todos os exames indicados, incluindo Ultrassonografia com Doppler e Cardiotocografia Fetal, com todos os resultados de exames sem alterações e o bebê e a gestante apresentando bom estado de saúde".

Segundo a nota do hospital, a paciente não apresentou aumento necessário de dilatação ou evoluiu para trabalho de parto. "Desta forma, a mesma recebeu alta e foi totalmente orientada sobre seu caso, com indicação de retorno imediato em caso de necessidade. Retornou à unidade no dia seguinte, em trabalho de parto prematuro, com o recém-nascido evoluindo à óbito, sendo o caso encaminhado ao Serviço de Verificação de Óbito".

A diretoria do hospital afirmou que se solidariza com a perda e se colocou à disposição dos familiares. A prefeitura de Praia Grande informou que não vai se manifestar sobre o ocorrido.

Leia Também

Jovem finca agulha de narguilé e mata namorado após discussão por pastel
Geral
Jovem finca agulha de narguilé e mata namorado após discussão por pastel
Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Cidades
Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Interior
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil
Geral
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil