Menu
segunda, 26 de outubro de 2020
Geral

Campo Grande pode ficar sem conselheiros tutelares a partir de julho

Risco de abandono

26 fevereiro 2014 - 12h52Por Assessoria

A partir do dia 25 de julho deste ano Campo Grande pode ficar sem o trabalho dos conselheiros tutelares, que tem por missão ‘zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente’. Embora exista um processo em andamento para escolha de conselheiros tutelares na Capital, este é para suplentes dos atuais 15 em atividade, cujos mandatos vão até 24 de julho deste ano.

 

Existe uma recomendação do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) para que não haja concurso para escolha de conselheiros tutelares em ano eleitoral. Por isso o concurso deste ano é para suplentes dos atuais, que podem assumir temporariamente vagas daqueles que saírem de férias, e licenças médicas por exemplo.

 

Além da recomendação de não ocorrer escolhas em ano eleitoral, como é o caso de 2014 quando serão escolhidos: presidente da República, senador, governador, deputados estaduais e federais, a Resolução nº 152 de 9 de agosto de 2012 dispõe sobre as diretrizes de transição para o primeiro processo de escolha unificada dos conselhos tutelares em todo território nacional a partir da vigência da lei 12.696/12.

 

Por conta da lei foi deliberado pelo Conanda que o primeiro processo de escolha unificado de conselheiros tutelares no Brasil ocorre no dia 4 de outubro de 2015, com posse no dia 10 de janeiro de 2016.

 

Além disso, ‘com o objetivo de assegurar participação de todos os municípios e do Distrito Federal no primeiro processo unificado, os conselheiros tutelares empossados nos anos de 2011 ou 2012 terão, excepcionalmente, o mandato prorrogado até a posse daqueles escolhidos neste primeiro processo unificado.’

 

Em relação a Campo Grande, como os atuais 15 tem mandato até julho deste ano, os suplentes também deixam o cargo na mesma data. Como há a orientação para não ter eleição em ano de eleição, os cargos podem ficar vagos até o ano que vem caso o Executivo não prorrogue o mandato dos atuais titulares.

 

Em contato com candidatos ao cargo de conselheiro tutelar em Campo Grande e conselheiros que estão na ativa, o gabinete do vereador Eduardo Romero (PT do B) confirmou a preocupação da categoria em relação à possibilidade da Capital ficar sem os serviços.

 

Uma conselheira tutelar,(que pediu para seu nome não ser revelado), disse que a alternativa para a Capital não ficar sem conselhos tutelares funcionando é o Executivo Municipal prorrogar o mandato dos atuais titulares e suplentes que vão passar nas provas e eleições deste semestre. ‘Até o momento, na houve manifestação por parte do prefeito em prorrogar o mandato e caso não ocorra a prorrogação e os atuais deixarem os cargos automaticamente em julho, não é legal os suplentes assumirem como titulares’, explica.

 

Depois do contato com alguns do grupo, o vereador Eduardo Romero encaminhou ofício ao gabinete do prefeito Alcides Bernal alertando sobre a lei federal e também pedindo informações sobre como vai ficar esta situação na Capital e se haverá prorrogação dos mandatos.

Leia Também

Brasil acumula 5,3 milhões de casos e 157 mil mortes por covid-19
CORONAVÍRUS
Brasil acumula 5,3 milhões de casos e 157 mil mortes por covid-19
Conhecido por ações sociais e defesa da cultura, Crys Sanfona tenta carreira na política
Cidade Morena
Conhecido por ações sociais e defesa da cultura, Crys Sanfona tenta carreira na política
Anjo que salva, Ravi terá órgãos doados em Campo Grande
In Memoriam
Anjo que salva, Ravi terá órgãos doados em Campo Grande
Após ser atropelado e ficar ferido na margem de rodovia, filhote de cervo é resgatado pela PMA
Polícia
Após ser atropelado e ficar ferido na margem de rodovia, filhote de cervo é resgatado pela PMA