Menu
Busca quinta, 04 de junho de 2020
Gov - Compre de Casa
Geral

Conselheiros do TCE-MS determinam devolução de R$ 121 mil aos cofres públicos

Conselheiros analisaram um total de 59 processos

01 outubro 2016 - 11h41Por TCE/MS

Durante a Sessão do Pleno do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE-MS) desta quarta-feira (28/09), presidida pelo conselheiro Waldir Neves, os conselheiros analisaram um total de 59 processos. Aplicaram 2.950 Uferms (R$ 71.626,00) em multas aos gestores públicos, e ainda determinaram que prefeitos, ex-prefeitos e vereadores façam a devolução de R$ 121.953,09 em impugnações aos municípios de Japorã, Alcinópolis, Eldorado e Rio Verde do Mato Grosso/MS. O Procurador Geral Adjunto do Ministério Público de Contas, João Antônio de Oliveira Martins Júnior, também, compôs a mesa.

José Ricardo Pereira Cabral – sob a relatoria do conselheiro ficou um total de 12 processos. No processo a seguir o conselheiro determinou a devolução aos cofres públicos do município de Japorã o valor de R$ 44.624,52 em impugnações.
 
Japorã: no processo TC/5442/2013, o conselheiro declarou irregular a prestação de contas anual da Câmara Municipal de Japorã, exercício 2012, gestão de Gilvan Antonio Perim, presidente à época dos fatos. Com base nos dados analisados, considerando o valor mensal de R$2.890,00 pago no exercício financeiro de 2012, ficando evidenciado que os subsídios auferidos pelos vereadores do referido município, ultrapassaram o limite constitucional. Devido às irregularidades apontadas o conselheiro determinou que os seguintes vereadores à época: Gilvan Antonio Perim; Jair de Souza Lima; Elenice Mendes Ramos; Leonir Salvador; Enos Góes; Gabriel José Klasmann; Paulo Martins; Assunção Samaniego e Daniel Cáceres devolvam ao erário público de Japorã o valor total de R$ 44.624,52, sendo que dividido, cada um terá que ressarcir o valor de R$ 4.958,28 em impugnações. 
 
O conselheiro votou também pela irregularidade dos dois processos seguintes: TC/5290/2005 e TC/5299/2005, ambos referentes a contratos administrativos da Prefeitura Municipal de Bodoquena. No primeiro processo, o então prefeito de Bodoquena, Umberto Machado Araripe, não atendeu à determinação do envio de documentações à Corte de Contas. No segundo processo, o então prefeito Umberto Machado Araripe, também não atendeu a determinação do envio dos documentos faltantes da execução financeira da contratação. Nos dois processos, o conselheiro acompanhou em parte o parecer do Ministério Público de Contas e manteve a aplicação da multa de 250 Uferms (R$ 6.072,50) em cada um deles, sob a responsabilidade do prefeito municipal à época, Umberto Machado Araripe.
 
No processo TC/3388/2014 o conselheiro não aprovou a prestação de contas anual do Fundo Municipal de Angélica (2013). Devido às irregularidades encontradas foi aplicada a multa de 100 Uferms (R$ 2.429,00), sob a responsabilidade do prefeito Luiz Antônio Milhorança.
Iran Coelho das Neves – o conselheiro votou pela regularidade e irregularidade em um total de 10 processos. Além de ter aplicado multas, determinou a devolução de R$ 23.548,96 em impugnação a ser devolvido para Alcinópolis.
 
Alcinópolis: no processo TC/117476/2012, o conselheiro acolheu o parecer do Ministério Público de Contas e votou pela irregularidade dos procedimentos administrativos praticados nas contas da Câmara Municipal de Alcinópolis, período de 02 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2010. O conselheiro determinou a devolução aos cofres públicos do referido município o valor de R$ 23.548,96, responsabilizando os seguintes ordenadores de despesas: Carlos Antônio Costa Carneiro, vereador e presidente da Câmara à época, o valor de R$ 12.281,80; Isabel de Souza Silveira, vereadora e ex-presidente da Câmara à época, o valor de 2.457,00; Nilton de Jesus Oliveira, primeiro secretário, o valor de R$ 8.810,16. O conselheiro ainda aplicou a multa de 100 Uferms (R$ 2.428,00) valor este dividido entre os ordenadores de despesas, Carlos Antônio Costa Carneiro e Isabel de Souza Silveira, por infração à norma legal, representada pela realização de pagamentos de subsídios em desconformidade com a regra constitucional.
 
No processo TC/59209/2011/001, o conselheiro votou pelo improvimento do Recurso Ordinário (art. 69, da Lei Complementar nº 160/2012), mantendo na íntegra a Decisão Simples: DS02-SECSES-404/2012. O conselheiro manteve a irregularidade do processo e a aplicação da multa de 100 Uferms (R$ 2.428,00) sob a responsabilidade do prefeito municipal de Laguna Carapã, Oscar Luiz Pereira Brandão, devido a contratação de uma servidora por tempo determinado, sem que esse ato de admissão preenchesse os requisitos legais de excepcional interesse público e devido a intempestividade na remessa de peças obrigatórias durante a fase instrutória.
Marisa Serrano – No processo TC/ 115348/2012, a conselheira votou pela irregularidade dos atos e procedimentos administrativos apontados no Relatório de Auditoria n. 40/2012, realizada na Prefeitura Municipal de Costa Rica, período de 2010, decorrente das seguintes inconsistências: contratos não encaminhados ao TCE/MS; dos contratos irregulares; dos convênios irregulares; aquisição de peças; despesas com hospedagens; despesas com divulgação; da prestação de serviços; da fragmentação da despesa; ausência de procedimento licitatório; dentre outros. Aplicou a multa de 300 Uferms (R$ 7.284,00), sob a responsabilidade de Jesus Queiroz Baird, prefeito à época.
 
A conselheira ainda negou o provimento do Pedido de Revisão interposto por Abel Nunes Proença, Ex-Prefeito do município de Porto Murtinho, mantendo os comandos da Decisão Simples n. 02/0311/2055, que considerou irregular o procedimento licitatório e a formalização do Contrato n. 020/2013. A conselheira ainda manteve a multa aplicada de 200 Uferms (R$ 4.856,00) sob a responsabilidade do ordenador de despesas à época, Abel Nunes Proença, por grave infração à norma legal e pelo não encaminhamento de documento obrigatório para exame.
Ronaldo Chadid – ao conselheiro coube fazer a análise de cinco processos entre regulares e irregulares. O conselheiro votou pela irregularidade no processo TC/3287/2015, referente à Auditoria realizada junto ao Fundo de Assistência à Saúde do Servidor de Campo Grande/MS (FUNSERV), referente ao período de janeiro a junho de 2014. O conselheiro acolheu o parecer do Ministério Público de Contas e aplicou a multa de 200 Uferms (R$ 4.856,00), sob a responsabilidade da diretora-presidente, Liliam Maria Maksoud Gonçalves, por ato praticado com grave infração à norma constitucional, de natureza contábil, financeira, orçamentária e patrimonial.
 
Osmar Domingues Jeronymo – sob a relatoria do conselheiro ficou um total de seis processos, sendo que em um deles determinou a devolução de R$ 52.694,24 em impugnação ao erário de Eldorado.
 
Eldorado: No processo TC/116504/2012, o conselheiro acolheu o parecer do Ministério Público de Contas e votou pela irregularidade dos atos praticados por Joil Moreira Marques, Ex-Presidente da Câmara Municipal de Eldorado, período de janeiro a dezembro de 2011. Determinou que o mesmo devolva aso cofres públicos do referido município o montante de R$ 52.694,24, em impugnação, referente a despesa com publicidade caracterizando promoção pessoal e pagamentos de diária e subsídio a maior. Aplicou, ainda, a multa de 100 Uferms (R$2.428,00), sob a responsabilidade de Joil Marques.
 
O conselheiro ainda aprovou Prestações de Contas Anuais de Gestão dos seguintes processos: no TC/6734/2014, do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (IMASUL) referente à gestão 2013; no TC/6768, da Junta Comercial do Estado de Mato Grosso do Sul, gestão 2013; e ainda no TC/10208/2013, da Agência de desenvolvimento Agrário e Extensaõ Rural (AGRAER), exercício financeiro de 2012.
erson Domingos – ao conselheiro coube fazer a análise de 12 processos. Aplicou multas e determinou a devolução aos cofres públicos de Rio Verde de Mato Grosso/MS o valor de R$ 1.085,37 em impugnação.
 
Rio Verde de Mato Grosso/MS: o processo TC/5664/2015, que trata sobre a Auditoria realizada pela equipe técnica da 3ª Inspetoria de Controle Externo no Fundo Municipal de Saúde de Rio Verde de Mato Grosso/MS, período de janeiro à dezembro de 2013, no que diz respeito a não realização das Audiências Públicas e pelo pagamento de multas de trânsito com recursos do FMS. Devido às irregularidades apontadas, o conselheiro determinou que o gestor, Mário Alberto Kruger, prefeito municipal à época do referido município, providencie a restituição ao cofre público municipal da quantia de R$ 1.085,37, em impugnação, referente ao pagamento das multas de trânsito. Aplicou ainda, ao ordenador de despesas a multa de 100 Uferms (R$ 2.428,00), pelas irregularidades detectadas no relatório de auditoria n. 029/2014.
 

Após publicação no Diário Oficial Eletrônico do TCE-MS, os gestores dos respectivos órgãos jurisdicionados poderão entrar com recurso ordinário e/ou pedido de revisão, conforme os casos apontados nos processos. 

 

Leia Também

Velório de bebê indígena pode ter espalhado coronavírus em aldeia
Geral
Velório de bebê indígena pode ter espalhado coronavírus em aldeia
Segurança esfaqueia mais de 30 crianças em escola
Geral
Segurança esfaqueia mais de 30 crianças em escola
VÍDEO: homem se comove e doa sapatos a morador de rua
Geral
VÍDEO: homem se comove e doa sapatos a morador de rua
Muambeiro é preso com mercadoria do Paraguai em hotel
Polícia
Muambeiro é preso com mercadoria do Paraguai em hotel