Menu
sexta, 18 de setembro de 2020
Geral

Diretora de escola particular é indiciada pelo crime de tortura-castigo contra alunos

De acordo com delegados, vídeos mostram diretora agredindo e chacoalhando crianças

26 abril 2019 - 13h36Por G1/PR

A diretora e proprietária da Cimdy Educação Infantil, de Curitiba, foi indiciada nesta sexta-feira (26) pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) da Polícia Civil do Paraná pelo crime de tortura-castigo contra alunos da escola.

Segundo a Polícia Civil, vídeos da rede interna de monitoramento da escola mostram Jussara Pazim, de 64 anos, chacoalhando e agredindo crianças. De acordo com os delegados que investigaram o caso, José Barreto e Ellen Victer, a diretora praticava "diversas formas de agressão física e psicológica".

Os vídeos analisados pela polícia foram entregues por funcionários da escola. Em um deles, a diretora aparece com duas crianças pequenas. As duas foram levadas à sala da professora porque uma mordeu a outra. Jussara aparece chacoalhando e empurrando a cabeça de uma das crianças, enquanto passa uma pomada na outra.

"São atos de violência totalmente incompatíveis com crianças daquela idade" afirmou o delegado Barreto. A escola, que foi fechada ao longo da investigação, tinha alunos entre 1 e 6 anos.

A defesa de Jussara afirmou que ela não praticou nenhum crime, especialmente o crime de tortura que foi imputado pela polícia. Confira abaixo a íntegra do posicionamento da escola.

Além das imagens, o indiciamento também foi pedido com base nos depoimentos de alunos e ex-alunos da escola. De acordo com o Nucria, 54 pessoas foram ouvidas pela polícia ao longo do inquérito, aberto no dia 1º de abril, entre elas 19 crianças e ex-estudantes que relataram ter sido vítimas de agressões.

"Também foi verificado que na hora de alimentar os alunos, ela forçava as crianças a comer. Elas vomitavam e ela forçava a comer a comida junto com o vômito", afirmou a delegada Ellen Victer.

Os delegados do Nucria, Ellen Victer e José Barreto, afirmaram que diretora foi indiciada após análise de vídeos que mostravam agressões às crianças. — Foto: Reprodução/RPC

Investigação

De acordo com o delegado José Barreto, os arquivos completos do circuito interno de câmeras estão sendo periciados pelo Instituto de Criminalística, mas os laudos ainda não foram concluídos.

Segundo a polícia, Jussara Pazim é proprietária da escola desde 1997 e até ex-alunos que hoje são adultos procuraram o Nucria para relatar as agressões.

Os detalhes dos depoimentos das crianças não foram divulgados por que são feitos para psicológicos e os conteúdos são sigilosos. A escola tinha cerca de 150 alunos.

De acordo com a polícia, Jussara foi até a delegacia voluntariamente para prestar depoimento durante as investigações e negou que tenha cometido qualquer crime.

O inquérito foi concluído e entregue ao Ministério Público do Paraná.

O que diz a escola

Confira na íntegra a nota da escola:

"Nota de esclarecimento.

A escola Cimdy tem um histórico de mais de duas décadas comprometida com a educação e a formação de centenas de indivíduos.

O respeito e a confiança sempre pautaram a relação entre instituição, pais e alunos. Uma condição validada por alunos, ex-alunos e pessoas que se envolveram com a instituição de ensino em todos esses anos.

A denúncia não define a conduta e a atuação da escola, a qualidade de seu histórico, nem a credibilidade de toda a equipe de profissionais que nela ou com ela trabalham.

Os responsáveis pela escola estão à disposição das autoridades públicas para prestar todos os esclarecimentos necessários e se dedicam para, acima de tudo, preservar os alunos e conceder segurança no relacionamento com os pais e prestadores de serviços envolvidos com a instituição.

Cimdy Educação Infantil."

Leia Também

Futebol com 'cabeça' de Bolsonaro choca deputados de MS: 'ato criminoso'
Política
Futebol com 'cabeça' de Bolsonaro choca deputados de MS: 'ato criminoso'
Prefeitura prorroga proibição do corte de água por mais 30 dias em Campo Grande
Cidade Morena
Prefeitura prorroga proibição do corte de água por mais 30 dias em Campo Grande
Marcelo Álvaro Antônio é 9º ministro infectado pela covid-19
Geral
Marcelo Álvaro Antônio é 9º ministro infectado pela covid-19
Homem é preso por tentativa de estelionato em agência bancária da Capital
Polícia
Homem é preso por tentativa de estelionato em agência bancária da Capital