Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Geral

Funcionária lésbica é obrigada a usar banheiro masculino por conta da aparência

“Eu me sentia péssima. Evitava ao máximo. Passava o dia com vontade de fazer xixi, mas tentava aguentar até em casa.”, desabafou a funcionária

02 março 2019 - 10h31Por Da redação/Pheeno

Thays Cyriaco, uma auxiliar de limpeza da rede Makro, afirma ter sido obrigada pela sua supervisora a utilizar o banheiro masculino durante cinco meses. O motivo para a ordem seria o fato dela ter uma aparência que lembre de um homem, mesmo se definindo como mulher.

“Eu sou mulher, mas uma promotora do supermercado me viu no banheiro feminino e reclamou com a gerente de Recursos Humanos. No dia seguinte, minha supervisora me procurou e disse: ‘Já que você parece homem, vai ter que usar o banheiro masculino’. Eu retruquei. Disse que era mulher e que não queria, mas ela foi irredutível”, disse em entrevista ao UOL. “Usava o [banheiro] de deficiente ou quando não tinha ninguém dentro [do masculino]. Porque fico muito constrangida”, revelou a funcionária de 30 anos.

Para acabar com isso, a auxiliar de limpeza entrou com uma ação na Justiça contra a empresa terceirizada (Eloforte), que contrata a promotora de vendas que a confundiu (Aurora) e a rede atacadista. A liminar concedida pela Justiça de Campinas, no último dia 21 de fevereiro, determina que o emprego de Thais seja mantido e que ela tenha direito a usar o banheiro feminino. Caso essa determinação não seja cumprida, a rede atacadista pode pagar multa de R$ 10 mil até a R$ 500 mil.

“Eu me sentia péssima. Evitava ao máximo. Passava o dia com vontade de fazer xixi, mas tentava aguentar até em casa. Quando ficava impossível, corria para o banheiro adaptado e rezava para que estivesse vazio. Foram cinco meses de sofrimento”, desabafou. A auxiliar conta que mesmo passando por todo o preconceito, não receber um pedido de desculpas, nem explicações do estabelecimento. “Todo mundo me olha torto. A situação só piora”, lamentou.

Em nota, a rede de supermercados Makro informou que foi dado início a uma apuração para esclarecer os fatos. “O Makro não admite qualquer tipo de discriminação ou preconceito e reitera que acatou de imediato a decisão da liminar. Como parte dos seus valores e de sua política, a rede reforçará seu posicionamento junto aos funcionários e quadro de fornecedores, enquanto avança nas investigações mediante os novos fatos apresentados.”

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar