(67) 99826-0686
Camara Maio

Jovens empresários estimulam fomento de novos negócios na Capital

Especial empreendedorismo

12 FEV 2014
Vanessa Ricarte
09h00min
Conselho dos Jovens Empresários. Foto: Vanessa Ricarte

Na sala de reuniões da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) estão alguns representantes do jovem empresariado da Capital. Naquele momento, eles discutem uma série de questões acerca de parcerias, relacionamento com a imprensa, projetos da instituição, tais como fortalecimento das empresas, ações sociais e o estímulo ao empreendedorismo feminino. Todos os assuntos da pauta são colocados em votação aberta e cada membro se manifesta democraticamente acerca do tópico abordado.

Assim é a cena de um dos encontros do CJE - Conselho dos Jovens Empresários em Mato Grosso do Sul. Eles são parte fundamental da instituição que cria oportunidades de prospecção de novos negócios entre os participantes do conselho ao estender uma rede de relacionamentos entre os membros, além de capacitá-los a fim de promover uma maior representatividade da classe nos diversos segmentos da sociedade civil organizada.

Apesar da idade, muitos carregam no DNA a determinação e conhecimento necessários para o crescimento e consolidação de suas empresas, o que assegura parte significativa da geração de empregos e renda inseridos no aparelhamento econômico do estado. 

Liderança política - Aos 26 anos, a vereadora Juliana Zorzo (PSC) faz parte do CJE e possui uma história muito peculiar com o empresariado. "Nasci em meio ao comércio, já que a minha família é formada por empreendedores. Quando eu tinha 16 anos, entrei na área para trabalhar como representante comercial. Imagine, eu frequentava as salas dos supermercados e participava das negociações nessa idade. Cerca de 90% dos profissionais com quem eu lidava eram homens acima de 35 anos. Obviamente, no começo me olhavam com desconfiança", relata.

 

 Vereadora Juliana Zorzo (PSC) em reunião com o CJE. Foto: Vanessa Ricarte

 

Zorzo é uma das representantes femininas do CJE e é associada ao conselho há cerca de um ano. Segundo a vereadora, a participação das mulheres na liderança de empresas tem aumentado significativamente em MS. "A mulher, através do seu trabalho, dedicação e determinação, tem se mostrado cada vez mais apta e merecedora de cargos de chefia e de destaque nas empresas. No Grupo Dallas (indústria alimentícia e agropecuária), todas as diretoras são mulheres. Diante da atual conjuntura, elas provam que podem gerir um negócio assim como os homens e com a mesma eficiência."

A participação da vereadora ainda vai além das tratativas dentro do Conselho dos Jovens Empresários:

"Faço força junto ao Poder Executivo para que assegure o crescimento dessas empresas, já que a carga tributária é alta. Procuro fazer com que o meu mandato beneficie e atenda a demanda dos jovens empresários."

Modus Operandi do CJE

Há três anos gerindo a instituição, o Presidente do Conselho dos Jovens Empresários, Alex Machado (32), explica que o CJE trabalha com a capacitação, representatividade e relacionamento entre os membros da instituição. Dentro da esfera da representatividade, amplifica a geração de negócios da categoria em MS. "Funciona como uma caixa de ressonância, já que um único jovem empresário seria menos ouvido pelo Poder Público e demais segmentos da sociedade civil do que um coletivo de jovens empresários. Desse modo, temos mais peso nas rodadas de negociações", afirmou.

O CJE capacita os jovens empresários com a criação e desenvolvimento de eventos voltados para a orientação da nova classe empresarial de Campo Grande. Machado explica que esse é um dos pilares da instituição. "É interessante ressaltar que unimos esforços e recursos para que haja essa capacitação não só aos membros do CJE, mas também aos outros jovens empresários que muitas vezes desconhecem a existência do conselho e precisam de informações que não estão disponíveis facilmente."

Em relação à rede de relacionamentos, o presidente da instituição ressalta que o trabalho do CJE se torna importante para abrir um leque de oportunidades ao jovem empresário. "É interessante, pois o jovem tem um networking menor do que os outros empresários que já estão no mercado há mais tempo. O CJE cria um ambiente onde ele conhece outras pessoas que não estariam dentro dessa rede de relacionamentos se não participasse da instituição."

Para Alex Machado, sua participação no conselho contribuiu de forma efetiva na ascensão de sua indústria de materiais plásticos. "Eu tive contato com pessoas que sequer imaginava que precisavam do meu produto. Nem sempre é a gente que vende, mas quando estamos em evidência, outros empresários se interessaram naturalmente pelo que fazemos."

Machado também pontua a questão dos obstáculos que os jovens empresários enfrentam ao iniciar um novo negócio. "Abrir uma empresa é caro, demorado e desnecessariamente difícil. Existem entraves burocráticos a serem superados no Brasil, tais como uma legislação trabalhista anacrônica, uma legislação tributária confusa e confiscatória e altos impostos. A escassez de mão de obra qualificada também é um problema que deve ser resolvido para que haja a possibilidade de crescimento efetivo no setor."

Em meio ao último ano de gestão. Alex Machado reafirma a importância da mulher dentro do CJE. "Desejo que pela primeira vez em dez anos de existência do conselho, uma mulher possa presidir a próxima gestão. Seria significativo, pois ela tem ganhado cada vez mais um espaço importante dentro do mercado de trabalho."

Jovens empresárias

Duas representantes femininas que participam do CJE se destacam pela inovação de suas empresas. Paulyne Silva Ribeiro, proprietária de uma empresa que presta consultoria a gestantes e Micaelle Dias, que comanda cinco empresas com apenas 23 anos são duas vozes de peso e falam da importância do CJE no âmbito pessoal. 

 

As jovens empresárias Micaelle e Paulyne. Foto: Vanessa Ricarte

 

"Acredito que o CJE tem a função de alavancar novas empresas, já que essa construção de networking é vital para que qualquer empreendimento tenha sucesso", afirma Micaelle.

Paulyne conta como chegou ao CJE: "fui convidada pelo presidente, pois ele identificou uma inovação expressiva no serviço que ofereço. Minha empresa ajuda a gestante a partir do primeiro resultado positivo do teste de gravidez até o primeiro ano do bebê. Aqui, surgiram diversas oportunidades e estamos em franco crescimento."

Conselho dos Jovens Empresários. Foto: Vanessa Ricarte
Conselho dos Jovens Empresários. Foto: Vanessa Ricarte
Conselho dos Jovens Empresários. Foto: Vanessa RicarteLideranças do jovem empresariado da Capital. Foto: Vanessa Ricarte

Veja também