Menu
quarta, 30 de setembro de 2020
Geral

Mangueira é a campeã do carnaval 2019 do Rio

Escola recontou a história do Brasil a partir de heróis negros e índios, entre eles Marielle Franco

06 março 2019 - 17h29Por G1

A Mangueira é a grande campeã do carnaval 2019 do Rio de Janeiro. A Imperatriz Leopoldinense e a Império Serrano foram rebaixadas.

O G1 acompanhou ao vivo a apuração das notas, que aconteceu na tarde desta quarta-feira (6), diretamente da Marquês de Sapucaí. Veja aqui.

Para conquistar o seu 20º título, a Mangueira deu uma aula de história na Sapucaí. Mas foi uma história alternativa, com destaque para heróis da resistência negros e índios em vez dos personagens tradicionais das páginas de livros escolares.

O enredo “História pra ninar gente grande” foi assinado pelo carnavalesco Leandro Vieira e contado em 24 alas e cinco alegorias. Em busca do título, a Mangueira exibiu uma bandeira do Brasil com as cores da escola no final do desfile.

"A gente passou a mensagem que a gente queria", comemorou a rainha de bateria Evelyn Bastos, destacando que a escola exaltou a história do povo negro.

(Foto: Rodrigo Gorosito/G1)

"Lava a alma. A Mangueira estava esperando esse título. Foi muita batalha", afirmou Alvinho, ex-presidente da escola. "Fizemos um grande espetáculo e, semana que vem, se Deus quiser, vamos repetir."

Destaques do desfile

O segundo carro apresentou uma releitura do Monumento às Bandeiras, em São Paulo. A obra apareceu manchada de sangue, em referência à forma violenta com a qual os bandeirantes exploravam o Brasil
Uma ala com passistas, a bateria e outras partes do desfile deram destaque às rebeliões e fugas de escravos
O samba citou Marielle Franco, vereadora do PSOL morta a tiros em março do ano passado.

A arquiteta Mônica Benício, viúva de Marielle, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) e o vereador Tarcísio Motta (PSOL) desfilaram à frente da última ala. 

Com 3.500 componentes, a escola verde e rosa apresentou heróis como o guerreiro Sepé Tiaraju, que tentou evitar o massacre dos guaranis pelas tropas de Portugal e da Espanha.

Foram recontadas batalhas entre índios e portugueses, com tribos dizimadas. Uma das alas mostrou os índios Cariris e sua luta para que o Nordeste não fosse invadido, em um conflito de mais de 50 anos.

Um grupo de musas da comunidade chamou a atenção por representar importantes mulheres negras, como Acotirene, matriarca do Quilombo dos Palmares, e Adelina Charuteira, da campanha contra a escravidão no Maranhão.

Outro momento de representação feminina foi um dos carros foi empurrado apenas por mulheres.

Leia Também

Primeiro homem curado de HIV morre de câncer na Califórnia
In Memoriam
Primeiro homem curado de HIV morre de câncer na Califórnia
Mato Grosso do Sul chega perto dos 70 mil casos da covid, mas diminui taxa de contágio
CORONAVÍRUS
Mato Grosso do Sul chega perto dos 70 mil casos da covid, mas diminui taxa de contágio
Ação da ABMCJ lança Observatório das candidaturas de mulheres
Cidade Morena
Ação da ABMCJ lança Observatório das candidaturas de mulheres
Sindicato grita por socorro e diz que donos de transporte escolar estão 'no fundo do poço'
Cidade Morena
Sindicato grita por socorro e diz que donos de transporte escolar estão 'no fundo do poço'