Menu
domingo, 27 de setembro de 2020
Geral

Morador flagra quati no quintal, mas ninguém aparece para retirar animal silvestre

O jovem está preocupado, pois o animal pode estar com fome e sede; apesar de aparecer com frequência em áreas urbanas ele precisa voltar ao habitat natural

20 fevereiro 2019 - 15h31Por Luis Abraham

Um morador do Jardim Santa Felicidade, em Campo Grande, se deparou com uma visita 'selvagem' na tarde desta terça-feira (19). Um simpático quati apareceu no quintal de Eduardo Silveira, 23 anos, residente na Rua Arceburgo. Apesar de inofensivo e aparecer com frequência em áreas urbanas, o animal é silvestre e precisa voltar ao habitat natural o quanto antes.

Em contato com as autoridades, Eduardo afirma que até a tarde de hoje ninguém apareceu para retirar o mamífero da espécie Nasua nasua. Além disso, o jovem está preocupado pois o animal pode estar com fome e sede.

(Foto: arquivo pessoal)

Conhecido como quati-do-nariz-marrom, a espécie habita quase toda a América do Sul. São caracterizados como onívoros, tendo uma dieta que abrange, especialmente, insetos e larvas e artrópodes. Mas também se alimentam de uma grande diversidade de frutos e, às vezes, pequenos vertebrados.

O contato inadequado com estes animais pode ser perigoso, pois os quatis podem transmitir diversas doenças aos seres humanos. Entre elas a dioctofmose, uma parasitose que acomete os rins, destruindo progressivamente os tecidos e consequentemente, inutilizando o órgão e reduzindo o a uma cápsula fibrosa.

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões