ENTREGAS
Solurbe - corrida do meio ambiente 18/04 a 08/05
(67) 99826-0686
Prestação de contas 17/04 a 26/04/2019

PMA deflagra operação para coibir pesca predatória no feriado

Para a ação foi empregado um efetivo de 362 homens e a PMA alerta que a fiscalização é tem sido bem intensa

9 OUT 2016
Da Redação / NotíciasMS
13h32min

A Polícia Militar Ambiental (PMA) realiza de sábado (8) até segunda-feira a “Operação Padroeira do Brasil”, com intensificação das fiscalizações nos rios do Estado, para prevenir e reprimir a pesca predatória, durante o feriado prolongado.

Segundo a PMA nesta época vários cardumes já estão formados, favorecendo a captura de peixes, o que atrai muitos turistas e pescadores. Por este motivo, a Polícia Militar Ambiental realiza desde o dia 1º de outubro a operação pré-piracema, que reforça a fiscalização nos rios de Mato Grosso do Sul neste período que antecede a piracema.

Para a ação foi empregado um efetivo de 362 homens e a PMA alerta que a fiscalização é tem sido bem intensa, inclusive com vários pescadores presos, nos últimos dias. Durante o feriado, os comandantes das 25 subunidades empregarão todo o efetivo e mais o pessoal do administrativo, no trabalho de fiscalização das áreas de atuação.

Devido ao fechamento da pesca nos rios do vizinho de Mato Grosso, desde o início do mês, o comando da PMA priorizará a fiscalização na divisa com esse Estado, nos rios Correntes, bem como nas áreas mais longínquas do Pantanal, como foz do rio Piquiri, rio São Lourenço, Cuiabá e Paraguai.

Segundo a Polícia esses locais já são pontos extremamente preocupantes nos quais a PMA tem mantido fiscalização preventiva constante. Agora com o fechamento da pesca no Estado vizinho, com certeza haverá uma intensificação de pescadores na região, o que faz com que haja a necessidade de mais policiais.

Quatro equipes da sede (Campo Grande) estarão itinerantes, fiscalizando todos os tipos de crimes e infrações ambientais, em contato com as equipes de rios, para a movimentação de presos e materiais para as delegacias, caso aconteçam prisões em flagrante.

O Comando da PMA alerta as pessoas que se utilizem dos recursos naturais dentro do que permite a legislação, pois as penalidades administrativas e criminais são pesadas. As multas podem chegar a R$ 50 milhões e as penas criminais, até cinco anos de reclusão. Na última operação Padroeira do Brasil, a PMA autuou 25 pessoas e aplicou R$ 78.800 em multas.

Veja também