Menu
sexta, 07 de agosto de 2020
Linha de frente - compet
Geral

POLÊMICA: casal que torturou filho adotivo defendia 'palmada' na educação de crianças

O menino segue internado; ele estava com os pais adotivos há dois meses

11 dezembro 2019 - 07h00Por Nathalia Pelzl

O casal acusado de torturar e espancar o filho adotivo, de 8 anos, em Londrina, defendia, publicamente nas redes sociais, que "dar palmada nos filhos educa, sim, e faz muita falta na atual geração".

Nesta segunda-feira (9), Israel e Sarah Zanoni, de 29 e 23 anos, prestaram depoimento e alegaram que o menino foi espancado, pois “estava de birra”. Eles tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva após audiência de custódia, segundo o jornal 24 Horas.

Além disso, a mãe adotiva do menino chegou a publicar que “dizer não ao filho também é um ato de amor”.

O menino, de Mato Grosso do Sul, segue internado em estado grave e chegou ao Hospital Evangélico com vários hematomas. Ele estava com a família desde outubro deste ano. 

O advogado de defesa, Mário César de Carvalho Pinto, disse que vai revogar a prisão, já que os dois são réus primários, têm emprego e residência fixa. “Entendemos que houve um exagero, mas discordamos da tentativa de homicídio que a Polícia Civil alega”.

A prisão do casal tem validade de 90 dias, mas pode ser prorrogada.

Leia Também

Banco Central estuda ação por vira-lata Caramelo após pedido para estampar nota de R$ 200
Geral
Banco Central estuda ação por vira-lata Caramelo após pedido para estampar nota de R$ 200
Fumaça de queimadas na Bolívia invade Corumbá e gera cena impressionante
Interior
Fumaça de queimadas na Bolívia invade Corumbá e gera cena impressionante
Bolsonaro assina MP que destina R$ 1,9 bilhão para compra de doses de vacina contra a covid
Geral
Bolsonaro assina MP que destina R$ 1,9 bilhão para compra de doses de vacina contra a covid
VÍDEO: Marquinhos fiscaliza descontaminação de ruas no Guanandi e defende comércio aberto
Cidade Morena
VÍDEO: Marquinhos fiscaliza descontaminação de ruas no Guanandi e defende comércio aberto