Menu
sexta, 18 de setembro de 2020
Geral

“Se víssemos gays como filhos de Deus, as coisas mudariam muito”, afirma Papa Francisco

Em abril deste ano, o pontífice declarou que quem rejeita homossexuais não são filhos de Deus

07 junho 2019 - 15h59Por Da redação/Pheeno

O Papa Francisco afirmou durante entrevista à Televisa que se os seguidores de Jesus “convencessem” que homossexuais e outras pessoas em relacionamentos “irregulares” são “filhos de Deus”, as coisas mudariam muito. Durante a entrevista, o líder religioso foi questionado pela jornalista Valentina Alazraki, sobre o que seriam os “relacionamentos irregulares”.

“Todos são filhos de Deus, todos somos filhos de Deus. Todos eles. Não posso descartar ninguém”, ressaltou. “Eu não posso dizer a uma pessoa que seu comportamento está de acordo com o que a Igreja quer […] Mas eu tenho que lhe contar a verdade: ‘Você é filho de Deus e Deus quer você desse jeito, agora, acerte-se com Ele’. Não tenho o direito de dizer a alguém que ele não é filho de Deus porque ele sentiria falta da verdade. Nem para dizer a ninguém que Deus não o ama, porque Deus ama a todos, Ele ama até Judas”, concluiu.

Essa não é a primeira vez que o Papa sai em defesa dos LGBTs. Em abril deste ano, em entrevista ao comediante Stephen K. Amos, o pontífice declarou que quem rejeita homossexuais não são filhos de Deus. Além disso, ele frisou a absurdidade dos casos de pais que expulsas filhos LGBTQs de casa.

Leia Também

Tá podendo: aprovação de Bolsonaro sobre entre quem recebe auxilio emergencial
Geral
Tá podendo: aprovação de Bolsonaro sobre entre quem recebe auxilio emergencial
Mula: PRF prende homem com quase 47 kg de pasta base cocaína em Anastácio
Interior
Mula: PRF prende homem com quase 47 kg de pasta base cocaína em Anastácio
Flordelis vai usar tornozeleira e cumprir toque de recolher no Rio
Geral
Flordelis vai usar tornozeleira e cumprir toque de recolher no Rio
Total de mortos pela covid-19 chega aos 135 mil no Brasil, diz boletim
Geral
Total de mortos pela covid-19 chega aos 135 mil no Brasil, diz boletim