Menu
segunda, 28 de setembro de 2020
Geral

SINPEF/MS reverte MP de Bolsonaro que suspendia pagamento de mensalidades

Descontos sindicais ficaram proibidos de serem descontados em folhas dos servidores filiados

29 março 2019 - 13h49Por Da redação

O Sindicato dos Policiais Federais em Mato Grosso do Sul (SINPEF/MS) reverteu a MP (Medida Provisória) nº 873/2019, assinada em março pelo presidente Jair Bolsonaro, que determinava a suspensão do pagamento das mensalidades sindicais por desconto em folha dos servidores filiados ao sindicato. A decisão em tutela de urgência, favorável aos servidores e sindicatos, foi deferida pela juíza Janete Lima Miguel, da 2ª Vara Federal de Campo Grande.

Os advogados do SINPEF/MS, Adriano Magno e Odilon de Oliveira Advogados Associados, alegaram que a Medida Provisória editada pelo Governo Federal viola direitos fundamentais sociais, laborais e de livre associação profissional ou sindical descritos na Constituição Federal.

“Argumenta, em síntese, haver intenção manifesta de embaraçar e desorganizar a representação dos trabalhadores, com ofensa aos princípios da impessoalidade, proporcionalidade, isonomia e razoabilidade. Além disso, a MP não possui os requisitos constitucionais da relevância e da urgência”, alegou a defesa do SINPEF/MS.

A defesa ainda acrescentou que “a MP nº 873/2019 não apenas viola os sobreditos dispositivos constitucionais, como também não faz outra coisa senão promover a detenção de um ativo financeiro da organização sindical”.

Em sua decisão, a juíza Janete Lima Miguel citou não apenas a Constituição Federal para deferir o pedido do sindicato, mas também a lei 8.112/90, artigo 240: “Ao servidor público civil é assegurado, nos termos da Constituição Federal, o direito à livre associação sindical e os seguintes direitos, entre outros, dela decorrentes: c) de descontar em folha, sem ônus para a entidade sindical a que for filiado, o valor das mensalidades e contribuições definidas em assembleia geral da categoria”.

“(…) Não adianta a MP nº 873/2019 tentar revogar os dispositivos da Lei nº 8.112/1990, porque esse diploma normativo só fez reproduzir a vontade consagrada e exarada pelo Constituinte em nossa Magna Carta. Então, à luz de solar evidência, o Executivo não pode, por meio da MP nº 873/2019, alterar o Texto Constitucional, que, como exaustivamente explicitado, prevê, expressamente, que as mensalidades dos sindicalizados, valor aprovado em assembleia geral, serão descontadas em folha”, alegou a magistrada.

Leia Também

Nova política? Harfouche sai para prefeito e já lança campanha do filho
Política
Nova política? Harfouche sai para prefeito e já lança campanha do filho
Motorista do 'conversível das belezuras' trabalha na Petrobras e garante que não paga mulher
Geral
Motorista do 'conversível das belezuras' trabalha na Petrobras e garante que não paga mulher
VÍDEO: tanque de vinho explode e causa enxurrada com 50 mil litros
Geral
VÍDEO: tanque de vinho explode e causa enxurrada com 50 mil litros
Mesmo com 60 mil recuperados, taxa de letalidade por Covid em MS preocupa
CORONAVÍRUS
Mesmo com 60 mil recuperados, taxa de letalidade por Covid em MS preocupa