Menu
terça, 07 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA - vacinaçao
Geral

Terenas ocupam cinco fazendas em terra tradicional

11 maio 2016 - 16h55Por Izabela Sanchez

Indígenas da etnia Terena ocuparam na madrugada desta quarta-feira (11) cinco fazendas que incidem em território tradicional indígena na região de Aquidauana. A Terra Indígena (TI) Taunay-Ipegue já possui relatório de delimitação concluído e na última semana uma portaria do Ministério da Justiça reconheceu a tradicionalidade da terra.

Uma das lideranças responsáveis pela retomada, Claudecir, explicou que o processo foi tranquilo, e que os fazendeiros não estavam no local. De acordo com ele, a decisão envolveu lideranças e caciques tradicionais de cerca de oito aldeias terenas da região.

A reserva onde vivem cerca de 5,5 mil indígenas terenas tem apenas 6,4 mil hectares, e os estudos reconhecem 33,9 mil hectares como pertencentes ao povo. As retomadas são formas de ocupar o território e pressionar o governo federal, responsável pela questão, para que homologue a terra como pertencente a comunidade indígena.

“A gente está se mobilizando entre nós mesmos, por parte nossa. A aldeia ipegue é a última de Aquidauana. Já tem pouco espaço, e não tinha mais como avançar, plantar, plantar mandioca e feijão, por exemplo, não estava tendo espaço. Só pra você calcular, são cerca 15 times de futebol”, contou Claudecir.


Recado à CPI do Cimi

Para os terenas, a ocupação do território é também um recado aos 'rumos' da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Cimi (Conselho indigenista missionário), conforme explicou Claudecir. Para ele, a retomada também serve para mostrar que as decisões políticas cabem apenas aos indígenas.

“As decisões das retomadas são das nossas lideranças, e dos nossos caciques que são pessoas mais velhas. E não tem nada a ver com o Cimi. Fizemos pra provar que não tem ninguém por fora. Quem dá decisões pra gente somos nós mesmos”, concluiu Claudecir.


TI

O pedido de revisão dos limites territoriais da Terra Indígena Taunay-Ipegue iniciou em 1985. Em 1999 os estudo demarcatórios começaram a ser realizados na região pela Funai (Fundação nacional do índio) e foram concluídos em 2004.

O Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação da área concluiu pela existência de uma terra tradicional de 33, 9 mil hectares e perímetro de 78.500 m². Publicado no último dia 2 de maio no Diário Oficial da União, a portaria do Ministério da Justiça declarou como terra indígena a área de 33,9 mil, ampliando a área da reserva Taunay-Ipegue.