Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Geral

Tiro atinge cabeça de bebê ainda na barriga da mãe e bala fica alojada na nuca do feto

Grávida está hospitalizada

11 abril 2019 - 09h14Por G1

Uma grávida foi baleada na barriga em Costa Barros, na Zona Norte do Rio, no sábado (6). A bala atingiu a cabeça do bebê Arthur, de 8 meses. A mulher está internada no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla.

A mãe está consciente e foi ouvida por investigadores da 39ª DP (Pavuna). A principal preocupação dos médicos, segundo ela, é o nascimento prematuro — mais até do que o fato de a bala ter ficado alojada na nuca.

A mãe relatou que havia um churrasco e uma festa na comunidade. Logo depois que ela saiu de casa, uma bala entrou pela sua coxa. O Batalhão da Polícia Militar da região diz que não havia operação no momento.

Grávida baleada em 2018

Em julho do ano passado, houve um caso semelhante na Baixada Fluminense. Claudineia dos Santos Melo foi baleada na barriga com 39 semanas. O bebê, também chamado Arthur, morreu poucos dias depois.

Claudineia estava grávida de 9 meses quando foi atingida por uma bala perdida na Favela do Lixão. A criança nasceu após uma cesariana de emergência.

O disparo, que deixou o bebê paraplégico, também arrancou um pedaço da orelha dele e criou um coágulo na cabeça. O tiro atravessou o quadril da mãe e atingiu a criança, perfurando os pulmões e provocando uma lesão na coluna.

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões