Menu
Busca sábado, 06 de junho de 2020
Camara - corona
Interior

Velório em Ladário é interrompido após suspeita de que mulher estivesse viva

Susto

16 novembro 2013 - 13h10Por Diário Corumbaense

Na manhã deste sábado (16), o velório de uma mulher de 32 anos, realizado no salão paroquial da Igreja Nossa Senhora dos Remédios, em Ladário foi interrompido, após suspeita dos presentes que a mesma ainda estivesse viva. A confusão se deu porque o corpo ainda mantinha uma temperatura relativamente quente, sem rigidez cadavérica e aparentava suar dentro do caixão.

 

O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado e a equipe médica levou o corpo para uma funerária de Corumbá onde foram realizados vários testes. Entre eles eletrocardiograma, que comprovaram a inexistência de qualquer sinal vital. Diante disso, o óbito foi confirmado e o corpo levado de volta para o velório.

 

Segundo informações do Diário Corumbaense, a mulher morreu vítima de câncer em estágio avançado, por volta das 16 horas do último dia 15 de novembro, na Santa Casa de Corumbá. Os exames clínicos realizados no hospital constataram o óbito naquele momento.

 

De acordo com especialistas, a alta temperatura registrada na sexta-feira, com máxima de 39,2°C e sensação térmica superior aos 40 graus pode explicar o fato do corpo ter mantido temperatura próxima a do ambiente e aparentar que ainda tivesse com sangue circulando.

 

Leia Também

VÍDEO: para rebater Bolsonaro, JN aciona 'plantão' sem necessidade e divulga dados da covid
Geral
VÍDEO: para rebater Bolsonaro, JN aciona 'plantão' sem necessidade e divulga dados da covid
Ministro Marco Aurélio autoriza Jamil Name a voltar para presídio do MS
Cidade Morena
Ministro Marco Aurélio autoriza Jamil Name a voltar para presídio do MS
TRÁGICO: brasileiros mortos pela covid-19 já passam dos 35 mil
Geral
TRÁGICO: brasileiros mortos pela covid-19 já passam dos 35 mil
ABSURDO: Fachin proíbe operações policiais em favelas do Rio durante pandemia
Geral
ABSURDO: Fachin proíbe operações policiais em favelas do Rio durante pandemia