TCE Novembro
Menu
segunda, 29 de novembro de 2021 Campo Grande/MS
ALMS - NOVEMBRO
Polícia

Catador encontra corpo enroscado em galhos no córrego Lagoa

11 junho 2016 - 13h13Por Dany Nascimento e Mariana Anunciação

Um catador de reciclagens encontrou um cadáver enroscado em alguns galhos no Córrego Lagoa, localizado na Avenida Lúdio Martins Coelho, próximo da Rua Panambi Vera, no bairro São Conrado. Ao se deparar com o corpo, o homem acionou o Corpo de Bombeiros, que constatou o fato.

Ao chegar no local, os bombeiros fizeram contato com Dirce Ferreira Lima, 69 anos, que seria madrasta do homem encontrado morto. Dirce teve dificuldades para reconhecer o enteado, mas com a ajuda de Cosmo Balduíno dos Santos, 56 anos, que seria amigo do homem há mais de 20 anos, confirmou que se trata de Gilberto Campos Duca, 49 anos.

A madrasta afirmou aos policiais que Gilberto sofria de problemas psicológicos e seria alcoólatra. O amigo de Duca, afirmou que não acredita que ele tenha cometido suicídio. "Eu sou amigo dele há mais de três anos, eu acredito que não seja suicídio, jamais. Deve ter sido algum acidente, ele jamais se mataria. A última vez que vi ele foi na quinta-feira de manhã, às 8 horas. Eu via ele quase todos os dias, ele morava próximo daqui, na antiga chácara dos Carneiros", diz Cosmo.

Alguns minutos após o reconhecimento da vítima, a esposa de Gilberto chegou ao local bastante abalada e acredita que o marido foi assassinado. "Eu tenho um suspeito de quem jogou ele no córrego. É alguém que fingia ser amigo para beber com ele".

Diante das afirmações, o delegado da Depac Piratininga, Thiago Macedo disse que a perícia não encontrou indícios de homicídio no local, mas garantiu que o caso será investigado, levando em consideração a suspeita da esposa.

"O caso será registrado como morte a esclarecer,  mas não a indícios de homicídio no local e nem evidências. Mas tudo irá depender da investigação, que envolve uma série de fatores, não podemos desconsiderar nada. Apesar dela estar no momento de desespero, pode estar confusa, mas se a família acredita em homicídio, deveremos investigar também. Não descartamos nada".