Menu
sexta, 26 de novembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Polícia

Defesa de cabeleireira faz novo pedido de liberdade

Joice Espíndola trocou de advogados de defesa antes de marcação de audiência

22 setembro 2018 - 16h10Por Anna Gomes

O processo de homicídio que envolve a cabeleireira Joice Espíndola da Silva, acusada de matar a facada Camilo de Freitas da Silva, em maio deste ano, em um bairro da zona Norte de Três Lagoas, teve duas movimentações nos últimos dias, além da marcação da primeira audiência do caso para 8 de outubro. Joice trocou de advogados e aguarda decisão do juiz da 1ª Vara Criminal, Rodrigo Pedrini Marcos, sobre novo pedido de liberdade.

Segundo o site JP News, a saída dos advogados do escritório de Hélio Ferreira Júnior foi decidida há uma semana, antes da marcação da audiência, e a defesa, agora, é feita pelos advogados Milton Simoncelli Júnior, Flávio Burgos e Cid Santos, que repetem pedido de habeas corpus.

Milton Simoncelli afirmou que a tática será "reforçar alguns pontos" do processo em pedidos enviados ao juiz do caso e ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), que manteve decisão de Pedrini Marcos sobre a prisão de Joice.

Ainda conforme o site local, a cabeleireira de 35 anos é primária. No processo consta que ela agiu em legítima defesa contra Camilo, que teria agredido seu filho, de 16 anos. Uma filha de 18 não teria participado do crime. Joice está presa desde 23 de maio em uma cela com outras nove detentas, no presídio feminino de Três Lagoas.

Testemunhas

Na audiência, o juiz deverá ouvir 10 testemunhas - seis arroladas pelo Ministério Público Estadual e as outras pela defesa. Não há informação se os novos defensores manterão as testemunhas inscritas.

Também serão ouvidos o delegado que conduziu o inquérito, Rodrigo Speracin Lopes, e policiais militares, que registraram a ocorrência.

O crime ocorreu após uma discussão entre Joice e Camilo, de 28 anos, no cruzamento das ruas Josino da Cunha Viana e João Carrato, no bairro Lapa. Em depoimento, Joice disse que tentou defender a esposa de Camilo, Larissa Laís Fontoura, de 23 anos, de agressões do marido, após uma discussão, na rua. Joice reagiu ao ser xingada de "vagabunda", segundo o inquérito, e usou uma faca que estava em uma picape para cometer o crime. Ela e os filhos voltavam de um passeio. Camilo e a mulher haviam ido a uma festa, com uma filha de dois anos.

Segundo o registro policial, ele sofreu um corte no peito, causado pela facada, e morreu antes da chegada do socorro.