ALMS CONTAR 25/06 A 27/06
(67) 99826-0686
ALMS 13/06 a 12/07

Delegado diz que Polícia Civil vai coibir pequenos crimes para evitar os grandes

Segurança pública

12 FEV 2014
Vanessa Ricarte
09h00min
Delegado Fernando Lopes Nogueira. Foto:Geovanni Gomes

Nos últimos dias, Campo Grande vem sofrendo uma onda de ataques de pichadores em prédios públicos, além do aumento de pequenos delitos que afligem a população no cotidiano. O delegado responsável por todos os plantões da Capital, Fernando Lopes Nogueira, convive diariamente com casos que começam em pequenos crimes e que, segundo sua visão, se não forem coibidos a contento, podem acarretar o aumento dos casos de crimes graves, tais como homicídios.

Atualmente, a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul é, de acordo com o Ministério da Justiça, uma das mais eficientes na resolução de crimes graves. Para o delegado Fernando, agora um dos objetivos da corporação é evitar os pequenos crimes.

"Queremos a questão das punições para esses casos de pequenos delitos seja reavaliado. No caso das pichações, não adianta prendê-los e depois soltá-los sem uma punição à altura. Falta uma ação mais incisiva da própria Polícia Civil neste caso, a pessoa que transgrede as leis precisa ser punido efetivamente para que ele não volte a cometer mais crimes", assegurou o delegado.

Em relação aos adolescentes, Fernando Nogueira defende que o estado deve proporcionar aos jovens uma educação que priorize esse ajuste social através de políticas que resolvam a situação. "O estado trata o adolescente como um criminoso comum, o que não é o certo, pois ele está na verdade criando um criminoso comum. É preciso que haja políticas específicas ao adolescente. A questão dos pais também influi no aumento da criminalidade, pois muitas vezes o pai e a mãe que geram e que criam o criminoso."

Outra ferramenta no combate aos pequenos crimes será um disque-denúncia para pequenos delitos. O serviço ainda está em fase de implementação, mas para o delegado Fernando, será de extrema importância no aumento da segurança pública na Capital. "São esses pequenos casos que, se não forem punidos adequadamente, podem acarretar no agravo dos crimes. Assim, a própria população é vigilante do que acontece no seu entorno. Os resultados positivos serão inevitáveis", assegurou.

Veja também