A+ A-

domingo, 14 de abril de 2024

domingo, 14 de abril de 2024

Entre em nosso grupo

2

Três Lagoas

28/02/2024 08:42

A+ A-

Dupla acusada de matar casal e atear fogo nos corpos em Três Lagoas é presa

Eles foram presos em Bauru, no interior de São Paulo, onde residem

Duas pessoas foram presas nas primeiras horas desta quarta-feira (28) pelo duplo homicídio de um casal em Três Lagoas, a 323 quilômetros de Campo Grande. Suspeitos foram presos em Bauru, no interior de São Paulo, onde residem.

Prisão ocorreu durante operação “Fogo Amigo”, realizada pela Polícia Civil do Mato Grosso do Sul em ação conjunta com equipes da Polícia Civil do Estado de São Paulo. Operação se deu após a conclusão das investigações do achado de corpos carbonizados em Três Lagoas, em julho do ano passado,

A ação foi coordenada pela SIG (Seção de Investigação Geral) e pelo NRI (Núcleo Regional de Inteligência), da Delegacia Regional de Polícia Civil da cidade, localizada na região do Bolsão.

Na época, os corpos do casal Denis Antônio de Souza Queiroz, 31 anos, e Leide Jasmim Rodrigues, 21 anos, foram encontrados em regiões periféricas de Três Lagoas. Um deles, nas proximidades da Rodovia BR-158, e o outro no bairro Jardim Imperial, ambos com sinais de asfixia e parcialmente carbonizados. 

As investigações duraram cerca de sete meses e culminaram na apuração dos envolvidos, com a definição das autorias, meios empregados e motivações. Os autores foram identificados apenas pelas iniciais, sendo R.L.B, de 37 anos, e L.F.S.B., de 34 anos, que eram amigos próximos das vítimas.

Ao final das investigações, a Polícia Civil representou por dois mandados de prisão e dois de busca e apreensão. Após manifestação favorável do Ministério Público, as ordens judiciais foram expedidas pelo Juízo da 1ª Vara Criminal e do Tribunal do Júri, da Comarca de Três Lagoas.

Os dois alvos buscados foram presos, sendo que um deles, ainda foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.

Eles serão encaminhados para Três Lagoas, onde serão formalmente indiciados e interrogados pela prática de dois crimes de homicídio quadruplamente qualificados, pelo motivo fútil, pelo recurso que impossibilitou a defesa das vítimas, pelo emprego de fogo e asfixia, e ainda, para assegurar a impunidade de outro crime.

Carregando Comentários...

Veja também

Ver Mais notícias