segunda, 15 de julho de 2024

Busca

segunda, 15 de julho de 2024

Link WhatsApp

Entre em nosso grupo

2

WhatsApp Top Mídia News
Polícia

05/04/2024 13:00

Empresários e servidores desviavam dinheiro até da carne dos índios em Sidrolândia, diz MPE

Fraudes em licitações envolvem montante de R$ 15 milhões, aponta denúncia

  • Desvio se deu com uso da Fundação Indígena
  • Desvio se deu com uso da Fundação Indígena
  • Desvio se deu com uso da Fundação Indígena
  • Desvio se deu com uso da Fundação Indígena

Quadrilha de servidores públicos e empresários que desviava dinheiro público por meio de fraude em licitações também lesou a Fundação Indígena em Sidrolândia, diz a denúncia. Eles supostamente se aproveitaram da compra de carne para os nativos para obter vantagem ilícita. 

A apuração foi feita pelo Ministério Público Estadual, por meio dos grupos Gaeco e Gecoc, no âmbito da Operação Tromper, deflagrada na manhã de quarta-feira (3), na Capital e em Sidrolândia. 

O próprio juiz Fernando Moreira Freitas da Silva usou o trecho sobre a fundação de assistência aos indígenas para autorizar as prisões de oito suspeitos, dentre eles o vereador de Campo Grande, Claudinho Serra. 

Indígena

Conforme narrou o MPE, os envolvidos são Tiago Basso, que era servidor público, Milton Matheus Paiva Matos, Ricardo Rocamora e Claudinho Serra usaram a S.H Informática - Taurus como instrumento para desviar dinheiro público.  

Ainda segundo a apuração, Milton precisava atender um pedido para a compra de 70 Kg de carne para os indígenas. Tiago Basso seria o responsável por emitir o empenho (nota a ser paga pela prefeitura). Porém, o primeiro disse que seria necessário emitir mais um empenho para ter uma margem de lucro e sugeriu uma licitação para compra de materiais para construção e de beleza. 

Em outro trecho, Milton se sentiu incomodado com o envio da propina de uma só vez. Ele sugeriu fracionar o dinheiro ilícito. 

''... hoje tem 50 mil, se esses 50 mil ficassem quietos lá, todo mês fosse passando dez, passando quinze beleza, rapidão mata'', orientou o suspeito. 

Em conversas interceptadas pela investigação, com autorização da Justiça, mensagens mostram repasse de propina de R$ 5 mil entre Saulo Ferreira Jimenes, dono de um posto de combustível da cidade, que seria de desvio da Fundação Indígena e pago pela prefeitura. 

O espaço está permanentemente aberto a todos os citados na reportagem ou às defesas caso estejam encarcerados.  

Desvio se deu com uso da Fundação Indígena

Vereador foi preso em condomínio de luxo na Capital (Foto: divulgação Gaeco)

Entenda o caso 

A Operação Tromper, deflagrada na manhã desta quarta-feira (3), investiga fraudes em contratos que somam cerca de R$ 15 milhões entre empresas e a prefeitura de Sidrolândia. 

Na terceira fase da investigação, foram cumpridos oito mandados de prisão e 28 de busca e apreensão.
A ação é realizada pelo Ministério Público, por meio da 3ª Promotoria de Justiça de Sidrolândia, do Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção) e do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado).

Segundo o Ministério Público, o Gecoc ratificou "a efetiva existência de uma organização criminosa voltada a fraudes em licitações e contratos administrativos com a Prefeitura Municipal de Sidrolândia, bem como o pagamento de propina a agentes públicos municipais".

Também foi identificada nova ramificação da organização criminosa, atuante no ramo de engenharia e pavimentação asfáltica.
A operação contou com o apoio operacional do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), do Batalhão de Choque e da Força Tática da Polícia Militar, além da assessoria militar do Ministério Público.

"Tromper", verbo que dá nome à operação, traduz-se da língua francesa como 'enganar'. 
 

Loading

Carregando Comentários...

Veja também

Ver Mais notícias
AMIGOS DA CIDADE MORENA ABRIL NOVEMBRO