TJMS JANEIRO
Menu
quinta, 20 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Polícia

Ladrões depenam casa, mas são obrigados a pagar adolescente espancado no Caiobá

Os vizinhos exigiram que os invasores da casa pagassem pelos objetos levados da casa

13 janeiro 2022 - 09h57Por Dany Nascimento e Vinicius Squinelo

Um grupo de pessoas invadiu a casa onde residia o padrasto que espancou um menino de 13 anos, na noite de ontem (11), e fez “um limpa” no bairro Caiobá, em Campo Grande. 

O imóvel foi incendiado e o grupo aproveitou para recolher ferragens que podem ser comercializadas na cidade.

Um vizinho, que teve a identidade preservada, contou ao TopMídiaNews que os moradores flagraram os criminosos levando os objetos e exigiram pagamento. 

“Exigimos que eles pagassem para o adolescente espancado, afinal a casa é dele. Todos pagaram e ele ficou com o dinheiro. Esse menino é do bem, ele não aguentava mais ser espancado por esse homem. Já tentamos ajudar o casal, mas eles sempre causavam discussões, brigas na região, até que cansamos e deixamos quieto”, diz o morador. 

Ao relembrar a cena de terror, o morador afirma que viu o adolescente desfigurado. 

“Ele tinha ferimentos no rosto, estava com braço todo roxo, corpo todo machucado e pedindo socorro. O padrasto já tinha dado um soco nele dentro do carro, parece que estava batendo na mulher e o filho não gostou. Ele deu um soco na boca do menino e ele desmaiou dentro do carro. Quando chegaram aqui, ele espancou o menino na frente da casa”, disse o morador.

O caso 

Moradores ouviram gritos de desespero e descobriram as agressões do padrasto contra os enteados, sendo três meninas e dois meninos, no Caiobá 2. Uma das crianças acabou desmaiando, enquanto outra menina foi puxada pelos cabelos pela mãe ao tentar pedir socorro.

Enfurecidos com a covardia do casal, populares o lincharam o agressor. A mãe das crianças também apanhou, mas conseguiu deixar o local. 

O agressor fugiu com quatro das cinco crianças, em um carro, e segue desaparecido. O menino que levou uma paulada nas costas e desmaiou foi o único que não sumiu com os acusados. 

Segundo informações passadas pela equipe por vizinhos, o Conselho Tutelar já esteve no local diversas vezes, mas nada foi feito até então.

A Polícia segue procurando os envolvidos e investiga o caso.