Menu
segunda, 06 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CONSTRUINDO O SABER 29/11 A 29/12
Polícia

João de Deus aparece na Casa Dom Inácio Loyola pela 1ª vez após denúncias de abuso sexual

Em 30 horas, mais de 200 mulheres procuraram o MP-GO dizendo terem sido abusadas durante tratamentos espirituais

12 dezembro 2018 - 10h45Por Da redação

Após as denúncias de abuso sexual, João de Deus esteve nesta quarta-feira (12) na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, no Entorno do Distrito Federal, onde ele atende. Esta é a primeira vez que o médium aparece em público depois que as denúncias vieram à tona e uma força-tarefa passou a investigar os supostos crimes. João Deus ficou seis minutos no local e, antes de ir embora, declarou que é inocente (veja o vídeo acima)

O médium chegou às 9h29, à Casa Dom Inácio de Loyola. Ele desceu de um carro branco e, rodeado por voluntários da instituição, se dirigiu até o meio do salão onde os trabalhos espirituais eram realizados. No local, João de Deus foi aplaudido pelos funcionários e se pronunciou sobre as denúncias, conforme mostra um vídeo enviado pela defesa do religioso.

“Meus queridos irmãos e minhas queridas irmãs, agradeço a Deus por estar aqui. Ainda sou irmão de Deus, mas quero cumprir a lei brasileira porque estou na mão da lei brasileira. João de Deus ainda está vivo. A paz de Deus esteja convosco”, diz João de Deus.

Segundo a assessoria de imprensa do médium, ele teve uma crise de pressão alta e teve de ir embora. Ele deixou o local cercado por um cordão humano.

João de Deus entrou no mesmo carro branco e foi embora da Casa. Não há informações se o médium voltarará para realizar atendimentos nesta quarta-feira, como de costume.

Tumulto

Durante a visita do médium, houve momentos de tumulto. Um dos advogados da equipe de defesa de João de Deus, Hélio Braga Júnior, disse que o “princípio de confusão” fez com que a equipe de voluntários da casa optasse por um outro momento para que o líder religioso se manifestasse sobre as denúncias.

“Ele veio hoje para prestar uma satisfação a todos, mas, infelizmente, houve este princípio de confusão e, em outra ocasião ele deve se manifestar”, disse o advogado.

Cláudio José Antônio Pruja é voluntário na Casa de Dom Inácio há 21 anos. Ele afirma que não era intenção dos integrantes da casa causar qualquer tipo de confronto.

“A gente nunca havia presenciado uma situação desta na nossa casa. O senhor João chegou rodeado de voluntários que o protegiam, não tinha segurança, não tinha polícia. A intenção não era causar este tipo se confronto ou qualquer tipo de agressão, seja por parte dos membros da casa ou pelos integrantes da imprensa. Repito que aqui é um lugar de luz, nós temos muito carinho por tudo que é feito aqui e acreditamos que tudo isso será esclarecido”, disse.

Visitas de brasileiros e estrangeiros

Os portões do local se abriram às 5h15. No entanto, a movimentação de visitantes só se intensificou por volta de 7h, quando vans e ônibus começaram a chegar com excursões em busca de atendimento do médium.

O G1 apurou que, entre os frequentadores da casa nesta manhã, havia a presença de brasileiros de vários estados, holandeses e norte-americanos.

"A gente acredita no poder de cura deste lugar. E a casa acaba sendo maior do que estas coisas que vão surgindo, então eu me sinto segura e tenho fé de que aqui encontro auxílio e suporte para os problemas que enfrento", disse uma mulher do interior de São Paulo, que não quis se identificar.

A instituição foi fundada pelo médium em 1976. Ele realiza atendimentos espirituais às quartas, quintas e sextas-feiras, recebendo pessoas de todo o país do mundo em busca de amparo para problemas de saúde de diversos tipos.

O local ficou mundialmente conhecido depois que artistas de Hollywood foram ao local em busca de atendimento. Além disso, ex-presidentes da República, governadores, políticos e atores brasileiros também frequentam a casa em busca de cura para enfermidades.

Denúncias

O jornal "O Globo", a TV Globo e o G1 têm publicado nos últimos dias relatos de dezenas de mulheres que se sentiram abusadas sexualmente pelo médium. Não se trata de questionar os métodos de cura de João de Deus ou a fé de milhares de pessoas que o procuram.

A força-tarefa que investiga as denúncias contra João de Deus começou o trabalho de investigação na segunda-feira (10), depois que o programa Conversa com Bial divulgou o relato de 10 mulheres que disseram ter sido abusadas sexualmente pelo médium.

O Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO), que assim como a Polícia Civil, investiga a suspeita de crimes sexuais durante tratamentos feitos pelo religioso, havia contabilizado, até o fim da terça-feira (11), mais de 200 denúncias contra o médium.

João de Deus nega acusações

O advogado Alberto Toron, que defende o médium, afirmou que o cliente nega as acusações e que ele está à disposição da Justiça para esclarecimentos.

“Muito enfaticamente ele nega. Ele recebe com indignação a existência dessas declarações, mas o que eu quero esclarecer, que me parece importante, é que ele tem um trabalho de mais de 40 anos naquela comunidade, atendendo a todos os brasileiros, gente de fora do país, sem nunca receber esse tipo de acusação”, disse.

Além disso, o advogado esclareceu que o padrão de João de Deus era atender a todos em grupo. “Eventualmente atendeu alguma pessoa, alguma autoridade sozinho, isso é um episódio localizado. Mas pessoas, mulheres, crianças em geral, eram atendidas coletivamente diante de um grande número de pessoas”, continuou.

Por fim, disse que o cliente vai colaborar com as investigações. “Achamos que tudo isso deve ser objeto de uma investigação marcada pela seriedade e nós esperamos que isso aconteça para que a verdade venha à tona”, concluiu Toron.