Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Polícia

Jovem denuncia nas redes sociais padrasto por tortura e estupro

Segundo os relatos publicados pela vítima, os abusos tiveram início aos 12 anos de idade

20 fevereiro 2019 - 16h16Por Da redação / Isto É

Uma jovem de 21 anos de Camaçari, Bahia, usou as redes sociais para denunciar que ela e a mãe foram violentadas e torturadas durante anos pelo padrasto. Segundo o G1, o homem foi preso e negou as acusações para a Polícia Civil. Segundo os relatos publicados por Eva Luana da Silva, o “caos” teve início quando ela tinha 12 anos. Ela conta que a mãe era constantemente vítima do companheiro e que ela passou a ser alvo dele também.

 “Minha mãe era agredida, abusada, violada e torturada quase todos os dias. Meu padrasto era obsessivo e ciumento com ela. Resumindo de uma maneira geral, ela era agredida com chutes, joelhadas, objetos. Era abusada sexualmente de todas as formas possíveis(…) Ele começou a me abusar sexualmente. Eu tinha nojo, repulsa, ódio e não entendia por que aquilo acontecia comigo. Me sentia uma criança estranha e diferente das outras.”

Eva relata que aos 13 anos chegou a prestar queixa contra o padastro. “O Estado falhou a tal ponto, que o meu caso não chegou nem ao Ministério Público. Fui obrigada a retirar a queixa por ameaças do meu padrasto. Ele utilizou o poder financeiro pra comprar a liberdade e comprar a minha alma. Porque ali eu perdi a minha alma. E o que eu fui denunciar, 1 ano de sofrimento, se multiplicou em mais 8 anos”, relatou.

A jovem revela que sofreu abortos por conta das agressões do padrasto. “Ele me agredia nos estupros, mas depois de um tempo, só utilizou das ameaças contra a minha família. Eu era usada como um lixo. Já abortei diversas vezes. Nunca pude ir ao médico pra fazer curetagem. Todas as vezes sangrava e passava mal a noite inteira. Já vi os bebês inteiros no vaso sanitário. Eu era chamada de burra, anta, doente, demente todos os dias, e era obrigada a repetir isso pra mim mesma.”

Eva conta que decidiu denunciar o padrasto e pedir ajuda porque “ou ele mataria ou eu me mataria”. “Tentei me suicidar várias vezes com cortes e remédios. Eu contei a verdade pois não aguentava mais”. Após as postagens, ela recebeu diversas mensagens de apoio, como da atriz Kéfera Buchmann.

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões