TJMS dezembro
Menu
Busca quarta, 11 de dezembro de 2019
Polícia

Madrasta admite ter dado cerveja para enteada: 'Só 3 goles'

Mulher afirmou que perdeu o controle, mas que está arrependida. Pai da menina trata caso como 'deslize'

13 agosto 2019 - 12h53Por G1

A mulher que aparece em um vídeo dando uma lata de cerveja para a enteada, de 6 anos (veja acima), prestou depoimento na manhã desta terça-feira (13), em Bom Jesus de Goiás, região sul do estado. À polícia, ela afirmou ter feito as imagens, admitiu que ofereceu a bebida para a criança, mas que a mesma "não bebeu em exagero", tomando "três goles" da lata.

As imagens viralizaram nas redes sociais e revoltaram a população da cidade. Nelas, a mulher aparece cantando e com uma lata de cerveja na mão, a oferecendo mais de uma vez para a criança. É possível ouvir quando a mulher manda a menina virar a lata e comemora, mesmo a garota fazendo ânsia de vômito.

“Vira, vira, vira... É isso aí garota! Filha de peixe, peixinho é”, falou a madrasta, dando risada e cantando.

A madrasta, que tem 25 anos e segundo a polícia ainda não tem advogado, disse que, no último sábado (10), estava limpando a casa com a ajuda da menina quando o companheiro - pai da criança - saiu para trabalhar.

Ela então decidiu tomar cerveja, mas, segundo afirma, acabou "por beber demais e não teve controle sobre as coisas que estava fazendo". Relatou que, de uma caixa de cerveja, deixou apenas duas latas.

Apesar da situação, a mulher alegou que foi a primeira vez que ofereceu bebida à menina e que está "muito arrependida". Declarou que cuida da enteada "com muita responsabilidade" e que a leva e busca na escola.

Por fim, contou que se mudou de Pernambuco para Goiás há alguns meses em busca de trabalho e estava morando com o tio até alguns meses atrás, quando passou a viver com o companheiro e a enteada.

Pai também depõe

O pai da menina também prestou depoimento nesta manhã. Afirmou que passou a morar com a atual companheira após se separar da mãe da filha e que ela lhe contou sobre a situação logo após ele chegar do trabalho.

Ele disse que a mulher "sempre cuido muito bem" da enteada e tratou o que ocorreu como um "deslize".

Por fim, o homem afirmou que "até estranhou" o fato da companheira beber, pois ela não ingere bebidas alcoólicas com frequência.

De acordo com o delegado Vinícius Penna, responsável pelo caso, após os depoimentos o casal foi liberado. A priori, ele diz que enquadra o caso no Artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que fala sobre fornecer bebida alcoólica para menor.

A menina está sob a guarda da avó paterna.

Conselho Tutelar

O Conselho Tutelar também acompanha o caso. Segundo a conselheira tutelar Rosa Maria de Oliveira, assim que ela e a colega de trabalho Laudelina Rodrigues tiveram acesso ao vídeo nesta segunda começaram a procurar em escolas da cidade por informações que pudessem levar à garota e à identificação dos responsáveis.

“Quando a gente estava em uma escola, recebemos a ligação da secretária de uma outra escola de que a menina estava lá com a madrasta. Chegamos lá e conversamos com ela. Mas o clima estava tenso do lado de fora, porque algumas pessoas revoltadas queriam bater na mulher. Tivemos que pedir auxílio da PM”, informou Rosa.