Menu
segunda, 17 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Polícia

‘Melhor a mãe dele chorar do que a minha’, diz autor de assassinato

03 dezembro 2015 - 10h40Por Mariana Anunciação

O foragido Alisson Martinez Jarcem, 22 anos, conhecido como DJ foi preso no final do mês de novembro, durante rondas de rotina da Polícia Militar, pelo homicídio de George Barros da Silva, 21 anos. O crime ocorreu, por volta das 12h do dia 17 de maio deste ano, quando a vítima estava em uma conveniência, na Rua Idianapolis, no Jardim Noroeste, em Campo Grande.

George foi surpreendido por uma dupla de motociclista, que o alvejou várias vezes, morrendo no local. A polícia chegou aos autores do crime após investigação e depoimentos de testemunhas. A motivação seria rixa de gangues rivais e o fato de George estar se relacionando com a ex-mulher de Alisson. O irmão do acusado, Adison Martinez Jardecem, de 20 anos, também está envolvido, porque tomou as “dores” e ajudou pilotando a motocicleta.


O delegado Fabiano Goes Nagata, da 3ª Delegacia de Polícia Civil, informou que Adison foi preso no final do mês de junho e que seu irmão estava foragido desde o dia 12 de novembro, sendo localizado no Jardim Panorama, portando um revólver calibre 38.


“Os irmãos Adison e Alisson são velhos conhecidos na região, por portarem armas e causar medo nos moradores do Bairro Noroeste. Inclusive, estão respondendo pelo homicídio, no mês de janeiro deste ano, de um indivíduo conhecido como Alemão (Flavio Cesar Rubio Inzaubralde, 41 anos), em frente a um bar, no mesmo bairro”, destacou.

Foto: Geovanni Gomes

“Tinha treta mesmo com o finado George, mas não fui eu não. Se morrer o papa, vão falar que sou eu. Só participei na morte do Alemão, junto com meu irmão. É uma injustiça o que estão fazendo”, disse Alisson, ao tentar negar veemente a participação neste assassinato.

No entanto, após ser questionado sobre a suspeita da motivação ser o envolvimento da vítima fatal com sua ex-mulher, com quem tem um filho de 3 anos, ele se rebelou e acabou confessando. “Nem sei o nome dessa desgraçada, nada haver. Estávamos separados há quase um ano. Ele já tinha dado tiro em mim, me ameaçou, a minha família também. Melhor a mãe dele chorar do que a minha”, disse.