Menu
sábado, 27 de novembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA - vacinaçao
Polícia

Polícia indicia pai de bebê morto por maus tratos e madrasta por homicídio qualificado

O delegado que investiga o caso realizou a conclusão do inquérito nesta quinta-feira

24 agosto 2018 - 08h25Por Anna Gomes

Foi concluído o inquérito policial que apurou a morte do bebê Rodrigo Moura Santos, de um ano, ocorrido no dia 16 de agosto, em Dourados. Joel Rodrigo Avalo Santos, 24 anos, pai da criança, foi indiciado por maus tratos e a madrasta Jéssica Leite Ribeiro, 21 anos, pelo mesmo crime e também por homicídio qualificado.

Segundo o site Dourados News, Francis Flávio Tadano Araújo Peres, delegado do 2°DP responsável pelo caso, realizou a conclusão do inquérito nesta quinta-feira (23).

A decisão teve como base alguns fatos como o exame de necropsia que confirmou que o corpo do bebê possuía diversas lesões características de maus tratos, tais como hematomas antigos e recentes no couro cabeludo.

Rodrigo sofreu ainda múltiplas fraturas nos arcos costais, ocasionando o dilaceramento do fígado, o que culminou na sua morte por choque hemorrágico.

Ainda conforme o site local, no dia do ocorrido, a madrasta alegava que a criança tinha falecido por causas naturais. Conforme mostrado pelo Dourados News, o socorro foi acionado na data e na casa do casal foi constatado que a criança já estava morta.

O pai da criança disse para a polícia que não estava em casa no momento do ocorrido. Sobre as lesões antigas, ele não prestou esclarecimentos.

Somente na quarta-feira (22), Jéssica prestou esclarecimentos sobre a morte do garoto. Ela afirmou que teria pisado no bebê por duas vezes, pois ele chorava muito.

O documento policial mostra que a madrasta afirmou ter tido um “acesso de raiva, ocasionado pelos constantes choros da criança, além de outros problemas pessoais”. Em outro trecho o documento cita que “a autora disse que utilizou as mãos e o joelho para apertar com força o abdômen do bebê, tendo também pisado nas costelas”.

O caso

Na manhã do dia 16 de agosto, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado para atender um bebê que estaria passando mal, na rua Presidente Kenedy, região da Cabeceira Alegre.

No local, os socorristas constataram que a criança já estava morta.  A perícia foi acionada e constatou hematomas nas costas, cabeça e pescoço do bebê.

O menino foi levado ao Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal), onde constatou-se a morte violenta, incluindo a ruptura do fígado dele.

Tanto a madrasta, quanto o pai da criança, acabaram encaminhados à delegacia e permanecem presos.