(67) 99826-0686

Procurador da Câmara é preso pela terceira vez em Operação do Gaeco

Ele está sendo encaminhado para o Ptran

8 OUT 2016
Diana Christie e Rodson Willyams
11h22min
Foto: Deivid Correia/Arquivo

O procurador da Câmara Municipal, André Luiz Scaff, foi preso na manhã deste sábado (8) pela terceira vez no ano, em Operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). Ele foi detido por volta das 7h30 e está sendo encaminhado para o Ptran (Presídio de Trânsito de Campo Grande).

Segundo o advogado de Scaff, José Wanderley, a defesa ainda não teve acesso ao inquérito, mas a prisão está relacionada às investigações de crimes de lavagem de dinheiro, crimes contra a administração pública e contra a ordem tributária. Em 20 de setembro, o procurador da Câmara e a esposa, Karina Ribeiro Mauro Scaff, foram detidos pelo mesmo motivo.

Conforme o Gaeco, André Scaff tem, pelo menos, 96 propriedades em seu nome, “acervo considerado incompatível com a renda auferida na condição de servidor público, o que indicaria que o acréscimo patrimonial seria proveniente de corrupção e improbidade administrativa”.

Ele também já foi preso  em 19 de maio, durante cumprimento de mandado de busca e apreensão em sua residência, localizada na Rua Patagônia, bairro Jardim Bela Vista, em Campo Grande. Foram encontradas 16 munições de arma de fogo, marca Águila, calibre .38 Especial, em um armário da sala e no quarto dele.

As diligências foram acompanhadas pela esposa de Scaff, Karina Ribeiro Mauro. Como ele não era autorizado a portar armas de fogo ou munições, foi preso em flagrante delito e encaminhado à Delegacia de Polícia. Posteriormente, o procurador pagou fiança de R$ 2.640,00 e foi colocado em liberdade provisória.

No entanto, em nova reviravolta, Scaff voltou para detrás das grades, desta vez na companhia da esposa Karina, após ser deflagrada a segunda fase da Operação Midas, que também intimou dois vereadores e vários empresários para prestar depoimento. Na data, o casal passou apenas uma noite no presídio. Nesta nova operação do Gaeco, somente o procurador foi preso.  

* Matéria alterada às 11h30 para acréscimo de informações

Veja também