TCE Novembro
Menu
domingo, 05 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA - vacinaçao
Polícia

STF liberta acusados de lesar 60 mil pessoas na Ouro de Ofir, mas burocracia impede saída imediata

Informação é da defesa dos réus e decisão foi do ministro Ricardo Lewandowski

17 novembro 2018 - 10h11Por Thiago de Souza e Celso Bejarano

Anderson Flores de Araujo e Celso Eder Gonzaga de Araujo, presos na Operação Ouro de Ofir, da Polícia Federal, foram agraciados com habeas corpus, deferido pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. No entanto, a soltura dos 'cabeças' do golpe que lesaram cerca de 60 mil pessoas em todo o país não deve ocorrer neste sábado (17).

A informação é do próprio advogado da dupla, Arlei de Freitas, que confirmou a decisão, datada dessa sexta-feira (16), mas acredita que, por questões burocráticas, os clientes saiam somente na segunda-feira (19).

O defensor disse que o pedido de habeas corpus é antigo e foi negado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul e Superior Tribunal de Justiça. Ele não quis comentar o mérito da decisão e destacou que é preciso o processo se encerrar para que possa haver explicação sobre a acusação.

''Meu cliente é inocente'', resumiu o advogado Arlei. O defensor não quis declarar quais medidas cautelares foram aplicada aos pacientes. ''Na hora oportuna daremos entrevista coletiva''.  Entramos em contato com o delegado da Polícia Federal, Guilherme Faria, mas não fomos atendidos. 

Golpe

Celso e Eder foram presos em novembro de 2017, acusados de liderar a operação Au Metal. Os dois convenciam investidores de várias regiões do país a aplicar (mínimo de mil reais), em uma operação de repatriação de corretagem de venda de ouro, em uma suposta mina na Bahia e também em países estrangeiros. Havia investimentos também de até R$ 20 mil.  Com isso, o retorno prometido era de milhões de reais. O outro investigado é Sidinei Peró.

A Polícia Federal em Mato Grosso do Sul estima que 60 mil pessoas tenham sido enganadas. No entanto, muitos investidores ainda acreditam na ideia de que vão investir mil reais e receber o retorno milionário.

Conforme apurado pelo TopMídiaNews, Gonzaga é dono da empresa Company - Consultoria Empresarial, instalada em Campo Grande e onde o plano funcionava. Peró e Araújo seriam os chamados "líderes" ou "corretores", nomes inventados pela chefia do bando.

Cálculos da PF revelam que os estelionatários pegaram dinheiro, em torno de R$ 100 milhões, e não devolveram

O nome da operação faz referência a uma passagem bíblica, na qual o ouro da cidade de Ofir era finíssimo, puro e raro, sendo o mais precioso metal da época. No entanto, Ofir nunca foi localizada e nem ouro que lá tinha foi visto por alguém.

Em fevereiro deste ano, Celso e Eder foram postos em liberdade, contudo, dois dias depois voltaram para o cárcere por determinação judicial. À época que conquistaram a liberdade, os dois envolvidos tiveram de usar tornozeleiras.