TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
segunda, 23 de maio de 2022 Campo Grande/MS
TOP MIDIA INSTITUCIONAL SUPER BANNER
Política

Candidatos recebem propostas de combate à violência contra mulher

Projetos foram elaborados por advogadas de Mato Grosso do Sul

29 setembro 2018 - 15h15Por Rodson Willyams

A bancada feminina da OAB/MS (Ordem dos Advogados de Mato Grosso do Sul) entregou para os candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul um plano de ações futuras que solicita maior atenção e políticas públicas voltada às mulheres do Estado. 

"Nós nunca podemos esquecer os direitos das mulheres. Nós mulheres precisamos sempre nos manter vigilantes. Estamos entregando 10 propostas para o combate e o enfrentamento à violência contra a mulher para os candidatos", afirmou Nancy Gomes de Carvalho, uma das conselheiras da OAB.

Segundo ela, o maior índice que subiu no Estado nos últimos tempos foi o de feminicídios. "O nosso Estado está na 6ª posição".

Como lado positivo, ela destacou que o governo do Estado implementou a delegacia 24 horas para atender mulheres vítimas de violência doméstica. "Mas nós precisamos ampliar esse sistema para Dourados e as demais cidades do Estado".

Presente no evento, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que sua gestão investiu em ações de políticas no combate à violência contra a mulher. Ainda lembrou da implantação das salas lilás dentro das delegacias, que oferece apoio às mulheres vítimas de agressões e conta com profissionais capacitados.

As propostas apresentadas foram as seguintes:

  • Implementação de delegacia 24 horas em Dourados e ampliação no número de delegacias voltadas para às mulheres para os demais municípios do Estado.
  • Desenvolver políticas de gênero e transforma as coordenadoria e subsecretária de políticas para as mulheres em Secretária de Estado.
  • Ampliar a atenção de políticas para as mulheres indígenas.
  • Capacitar os profissionais da saúde no auxílio quanto a questão ao estupro.
  • Garantir a licença maternidade para às mulheres quanto ao parto prematuro, assim que a criança receber alta do hospital.
  • E garantir que 30% das vagas para secretariado sejam preenchidas por mulheres e a isonomia salarial dentro das repartições públicas.