Tribunal de Contas
(67) 99826-0686
Camara - marco

Ala independente da Câmara aumenta, após Bernal ir para bernalinda

Cassação

23 OUT 2013
Juliene Katayama
12h02min

Depois da abertura da Comissão Processante na Câmara Municipal de Campo Grande, os vereadores que sinalizavam ir para a base a apoio do prefeito Alcides Bernal (PP) passaram a se declarar independentes: Edson Shimabukuro (PTB), Carlão (PSB), Paulo Pedra (PDT).

Dos três, apenas Carlão votou a favor do prefeito. Segundo ele, para atender pedidos de amigos. "Dei o sinal. Pediram meu voto", afirmou. Já Pedra e Shimabukuro, votaram a favor da comissão, embora a expectativa era de que eles acompanhassem a base. "Sou independente. Votei porque vi naquele momento que era o melhor", explicou.

Pedra foi um nome citado para assumir o cargo de líder do prefeito. O vereador negou. "Impossível. Meu partido está independente na Câmara", pontuou o pedetista.

Trajeto - Pedra, Carlão e Shimabukuro foram eleitos por coligações de oposição ao Bernal. Iniciaram o mandato na mesma linha que foram eleitos. Foram decisivos em votações contra o prefeito como a derrubada do veto do prefeito sobre as emendas que proveriam aumento aos servidores municipais.

Depois tentaram mudar de lado criando o G-8 para ajudar o prefeito a ter governabilidade no Legislativo. Mas o grupo acabou antes mesmo de ter a primeira atuação.

Fora do barco - Além dos três vereadores, os tucanos Professora Rose e João Rocha, e o ex-governador Zeca do PT também integraram o grupo dos independentes. Hoje, o PSDB está fora da administração municipal e o PT ameaça abandonar o prefeito.

Veja também