(67) 99826-0686

Após quase duas horas de reunião, vereadores da base deixam a Câmara

Outra convocação

26 DEZ 2013
Ana Rita Chagas e Lucas Arruda
10h28min
Foto: Geovanni Gomes

Após quase duas horas de reunião, os vereadores que compõem a base aliada do prefeito Alcides Bernal (PP), decidiram deixar a Câmara Municipal em respeito à liminar expedida pelo desembargador do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) João Batista da Costa Marques justiça.

O líder do prefeito na Casa, Marcos Alex (PT) disse que os integrantes da base que é composta por Zeca (PT), Cazuza (PPS), Luiza Ribeiro (PR), Ayrton Araujo (PT) e Gilmar da Cruz (PSB), não vão aguardar  outra decisão da justiça para ser concedida ainda hoje (26)."Para haver uma nova sessão é preciso que se faça uma nova convocação, daí sim, poderá ser feita  uma outra sessão extraordinária. Tudo isso é o que determina a lei", disse. O vereador Alex protocolou um documento, para fins legais, afirmando que não irá participar de uma nova sessão, caso ocorra, ainda, nesta quinta-feira (26).
 

Segundo Zeca, a Câmara tem de comungar com a decisão judicial. "Se continuar com a sessão, nós os vereadores da base do Bernal é que vamos entrar na justiça contra eles [vereadores]", acrescentou.
 

Liminar - Atendendo a uma liminar expedida pelo desembargador do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), João Batista da Costa Marques, a sessão extraordinária que cassaria o mandato do prefeito Alcides Bernal (PP) prevista para hoje (26) foi suspensa.
 

Para validar  os votos seriam necessários pelo menos dois terços dos vereadores, ou seja 20, dos 29 integrantes da Casa de Leis. Hoje, o desfecho final que culminou pelo suspensão dos trabalhos foi acompanhada por cerca de 500 manifestantes que chegaram à Câmara desde a 6h30 da manhã. Como forma de evitar o tumulto foi enviado até o local um efetivo de 100 policiais militares.

Mesmo com a saída dos seis vereadores que compõem a base aliada do prefeito Alcides Bernal, outros 23 integrantes da Casa de Leis estão na sede do Legislativo aguardando a resposta de uma outra liminar favorável a retomada da votação que pode cassar o mantato do prefeito. 

Matéria atualizada às 11h56

Veja também