Menu
sexta, 14 de agosto de 2020
Política

Bernal vai recorrer à Justiça para tentar impedir Comissão Processante

Cassação

16 outubro 2013 - 12h52Por Juliene Katayama

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), vai acionar hoje a Justiça para tentar impedir o trabalho da Comissão Processante aprovada na sessão de ontem, na Câmara Municipal. O Chefe do Executivo considerou a votação massacrente - de 21 contra e 8 a favor - um "golpe político" articulado, segundo ele, por seus adversário políticos. "Vou entrar com ação na Justiça contra o golpé político articulada, engenhada e curtida pelos meus adversários", afirmou.


Conforme o prefeito, a comissão nasce com vícios e, por isso, a tornaria nula. "A comissão processante não tem objeto determinado. Além disso, uma pessoa que faz a denúncia ou investiga não pode ser o juiz", afirmou Bernal durante a coletiva de imprensa realizada nesta manhã.

Na avaliação de Bernal, a participação dos cinco integrantes da CPI da Inadimplência - Chiquinho Telles (PSD), Alex do PT, Elizeu Dionizio (SDD), Paulo Siufi (PMDB) e Otávio Trad (PTdoB) - na votação da abertura da Comissão Processante é ilegal. No entanto, mesmo com a retirada dos cinco vereadores e considerando os 24 restantes, ainda assim a votação teria número suficiente para abrir a comissão. 


Para abrir a Comissão Processante é necessário ter 2/3 da Casa de Leis. Com a possível exclusão dos cinco vereadores, seriam necessários a adesão de 16 a favor da abertura. Ainda assim, a oposição levaria vantagem com apoio dos vereadores: Vanderlei Cabeludo, Carla Stephanini, Mario Cesar, todos do PMDB; Coringa e Delei Pinheiro, ambos do PSD; Flávio César, Eduasro Romero, do PTdoB; Chocolate (PP); Dr. Jamal e Grazielle Machado, do PR; Professora Rose (PSDB); Alceu Bueno (PSL); Airton Saraiva (DEM); Paulo Pedra (PDT); Juliana Zorzo (PSC) e Edson Shimabukuro (PTB).

Politicagem - Com a posição do relator da Comissão Processante, vereador Flávio César, que defende o afastamento imediato do Chefe do Executivo, Bernal declarou tratar de politicagem para derrubá-lo. "É o fato mais cabal de que trata de politicagem. Não querem justiça e política, mas golpe político", ressaltou.

Sem apontar ninguém, Bernal disse que seus adversários políticos o persegue desde antes das eleições do ano passado. "Não acreditavam que eu era pré-candidato e tentaram impedir minha candidatura. Depois quando eu ganhei nas urnas tentaram impedir minha diplomação. Agora 'armaram' o desgaste e a difamação contra mim", enumerou o prefeito.

"Não é surpresa. Eles não aceitam que uma pessoa fora do grupo deles tenha vencido a eleição", enfatizou.

Sem objeto - A CPI da Inadimplência que foi o ponto de partida para abrir a Comissão Processante constatou diversas irregularidades nos contratos de emergência, falta de pagamento a empresas que já prestavam serviço desde a gestão anterior, cancelamento de contratos, processos licitatórios.


Porém, a comissão parlamentar não seguiu o objeto de investigação inicial que era a falta de pagamento das empresas prestadoras de serviço. "A CPI da Inadimplência não constatou nenhuma ilegalidade quanto a falta de pagamento. Ela caminhou fora do objeto", disse Bernal.


Para o prefeito, assim como a CPI da Inadimplência saiu do foco, a Comissão Processante já nasce sem objeto e, por isso, não tem legalidade para continuar os trabalhos. 

Leia Também

Filhote de anta atacado por cães perto de fazenda é resgatado pela PMA
Polícia
Filhote de anta atacado por cães perto de fazenda é resgatado pela PMA
Acusado de propina milionária, Vander já tem dois votos pela absolvição no STF
Cidades
Acusado de propina milionária, Vander já tem dois votos pela absolvição no STF
Brincalhão e de bem com a vida, Emerson deixa dois filhos pequenos e clamores por Justiça
Polícia
Brincalhão e de bem com a vida, Emerson deixa dois filhos pequenos e clamores por Justiça
Sábado tem Feijoada do Rotary Club e vai ser no sistema drive thru em Campo Grande
Cidade Morena
Sábado tem Feijoada do Rotary Club e vai ser no sistema drive thru em Campo Grande