(67) 99826-0686
REFIS FEV.

Candidatos se comprometem criar plano de cargos e carreiras para servidores da saúde

Além disso, alguns ainda se comprometeram propor projetos de melhores condições nos salários dos servidores

23 SET 2016
Rodson Willyams
15h00min

Os candidatos a prefeito de Campo Grande estiveram na manhã desta sexta-feira (23), na sede do Conselho Municipal de Saúde, junto aos conselheiros locais e dos distritos de saúde,  em que apresentaram as propostas de campanha voltada à saúde. Os candidatos ainda aproveitaram a oportunidade para debater os nove temas apresentado pela categoria cujo o objetivo é que o próximo prefeito assuma os compromissos assinados hoje junto a categoria.

Dos 15 candidatos a prefeito nesta eleição, 10 compareceram e apenas cinco candidatos não foram ao local. O candidato Coronel David (PSC), Pedro Pedrossian (PMN), Rosana Santos (PSol) e Alexsandro Arce Durand (PCO) e Elizeu Amarilha (PSDC). Deles, dos que não confirmaram presença no evento, a única foi a candidata Rosana Santos, segundo a organização.

O primeiro a primeiro a abrir o debate foi o candidato Suel Ferranti (PSTU), que reclamou à reportagem, que devido a presença de muitos assessores no espaço, quase não conseguiu apresentar a sua proposta aos conselheiros. "Houve muita conversa e quase não consegui passar a minha proposta. Mas a participação foi boa. Entre os pontos, vamos por meio dos Conselhos Populares trazer toda a  civil como associações, movimentos sociais e dos trabalhadores, além da participação da juventude por meio dos DCEs e grêmios estudantis, para somar com esses conselhos", garantiu.

Logo depois foi a vez atual prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, do PP, que fez um panorama sobre a situação em que encontrou a prefeitura. Logo depois, destacou algumas ações que fez na saúde após um ano de governo. Por fim, ele se comprometeu em continuar a investir na atenção básica e se posicionou a favor dos servidores e reafirmou ser contra a terceirização, sendo um das principais propostas de governo.

No saguão do evento, a reportagem conversou com os demais candidatos, entre eles, o deputado estadual, Marquinhos Trad, do PSD, apresentou as propostas referente ao seu plano de governo. "Nós vamos colocar aquilo que ouvimos na nossa pré-campanha no 'Converse com a Nossa Gente' que nos direcionou para a construção do nosso projeto de governo. Mas é claro que vamos atuar na prevenção na saúde, na atenção básica. Hoje 80% dos nossos investimentos será na atenção básica".

Marquinhos ainda revelou que pretende transformar os postos de saúde em clínicas da família. "Nós também vamos valorizar os profissionais da saúde, vamos fazer um plano de cargos e carreiras, olhar os salários, além de equipar todas farmácias para que funcionem 24 horas sem fechar. Vamos colocar gestores para gerenciar a saúde, e somos também contra a terceirização, as OS. Ou seja, tudo isso, vamos inserir e valorizar a participação dos conselheiros junto ao Executivo".

A vice-governadora Rose Modesto, do PSDB, também destacou que 62% da população de Campo Grande destacaram como prioridade de governo a saúde. "Nós vimos que a saúde não tem acontecido e vamos reestrutura a rede. Vamos reestruturá-la e proporcionar a valorização dos servidores. A nossa prioridade será a atenção básica porque nela evita que os casos chegam as unidade de média e alta complexidade. Não vamos fazer a terceirização da saúde. Vamos valorizar o servidor e queremos eles tenham uma condição de fazer uma saúde melhor, coisa que hoje isso não tem acontecido".

Rose ainda destacou que pretende investir no Centro de Especialidade e em um Centro de Diagnóstico. "Desta forma vamos fortalecer a atenção básica, os postos de saúde e as UPAs. Com isso a gente avança e passa pela discussão de todo mundo, nós precisamos discutir mais a saúde na sua totalidade e para nós, isso é um ato importante. Os conselheiros tem um papel importante e vamos fortalecer essa participação. Mas precisamos avançar muito ainda".

O vereador Alex do PT, também esteve presente no evento e informou que deve focar em dois pontos, na conferência municipal de saúde e assumiu o compromisso que nenhum cargo de chefia será composto por profissionais que não são da área da saúde. "Não vamos fazer nomeações politiqueiras. Vamos lutar para criar um plano de cargos e carreiras e vamos fazer uma inversão no sistema. Ou seja 80% dos investimento que estão na contratação de serviços, vamos colocar a 100% para a área da saúde, mas é claro que de inicial, temos convênios com hospitais e a gente não desfazer isso a qualquer modo, mas vamos agir com propostas, vamos equipar os UPAs e quem saber produzir os nossos próprios medicamentos, a gente sabe que isso é possível fazer".

Ex-vereador Marcelo Bluma, do PV, destacou que também pretende assumir o compromisso de trazer a população para que fique mais participativa nos conselhos. "Como prefeito se eleito for, quero utilizar a estrutura administrativa no processo educacional. Hoje o Conselho é deliberativo e um trabalho voluntário. Se a população compreender isso, podemos ter um avanço incrível e uma grande transparência nesse setor. Quero assumir o compromisso de trazer as pessoas para participarem deste processo e essa foi a questão que pontuo como a mais importante desta lista".

O ex-vereador Athayde Nery, do PPS, também destacou que pretende fortalecer o Conselho amparado nas políticas públicas da saúde. "Nós vamos fazer, a partir desta composição, 50% de usuários e 25% de agentes trabalhadores e mais a sociedade civil, a gente consiga dar alinhamento a uma nova cultura no ponto de vista da saúde. O primeiro é a questão da saúde preventiva, não adianta só atacar a doença, é fundamental que a gente faça uma política de apologia a saúde pública, por meio da campanha visando a educação tenham a possibilidade da prevenção e estimulando isso, nas unidade básicas da saúde da família".

O ex-deputado Lauro Davi, do PROS, também falou sobre os pontos. "Vamos seguir basicamente o projeto que temos em mente dos nove itens deste fórum de saúde. Vamos fazer um plano de cargos e carreira para o servidor, organizar o sistema de saúde para depois quem saber, ampliá-lo".

Aroldo Figueiró do PTN, afirmou à reportagem que 80% das propostas estão em seu plano de governo. "Apenas duas que eu preciso olhar melhor e fazer uma análise mais criteriosa. Mas a saúde é a nossa maior relevância e vamos aproveitas essas reivindicações. Quero criar uma gerência na saúde e não desmanchar uma secretaria que já está aí existente".

Por fim, Adalton Garcia, do PRTB, foi o mais assediado no evento. O seu slogan da campanha 'Não tenho mais tempo, tenho que pedir voto', de imediato foi o mais lembrado entre os presentes e se tornou candidato simpatia no evento. Apesar da boa relação, Adalton afirmou que apesar de apresentar as suas propostas, não poderia assumir muito compromissos porque caso seja eleito, deveria tomar conhecimento sobre a real situação da prefeitura de Campo Grande.

 "Vamos fazer um projeto em parceria com a educação, construir uma escola que tenha um calendário padrão como forma de reestruturar a saúde. Por exemplo, a criança das escolas e Ceinfs, teriam médicos e acompanhamento odontolófico e com isso, a gente poderia acompanhar o desenvolvimento delas. Hoje os postos vivem cheio. Então, a gente acredita que saúde tem que ser tratada com educação", finalizou.

  

Veja também