(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Chadid vai à Câmara, mas não convence professores concursados

Impasse

3 DEZ 2013
Juliene Katayama
13h17min
Foto: Geovanni Gomes

O secretário de Educação, José Chadid, foi à Câmara Municipal de Campo Grande, na manhã desta terça-feira (3), explicar as contratações de professores ao invés de chamar os concursados aprovados. No entanto, o secretário não convenceu os professores presentes e uma comissão será criada para chegarem a uma solução.

O edital do concurso é de 2009, que foi prorrogado por dois anos. O prazo termina dia 21 de janeiro. No Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) de hoje, foram convocados 332 candidatos aprovados. Mas ainda teriam faltariam 282 candidatos a serem chamados.

Segundo o secretário, não há vagas para alocar todos os aprovados. O argumento foi questionado por Vanderlei Sandim, integrante do movimento. "Como não há vagas se eles querem abrir outro concurso?", questiona.

Ainda conforme Chadid, a prefeitura chamou mais concursados em determinadas áreas do que previa o edital. "Para educação infantil, eram 100 vagas e foram contratados 636 aprovados, além dos 57 de vagas remanescentes", afirmou o secretário. Também foram chamados mais 47 de 214 aprovados para educação física - eram 30 vagas -, geografia foram 51 de 93 aprovados - 10 vagas -, matemática foram convocados os 54 aprovados - 34 a mais dos anunciados. Ainda foram convocados professores para disciplinas de ciência, espanhol e primeiras séries.

Temporários - Sobre os professores temporários, Chadid disse que a prefeitura convocou 1.593 profissionais. Do total, 698 assumiram vagas de professores afastados para assumir vaga de diretoria, diretoria-adjunta, coordenação. Aopesar do grande número de convocados, o secretário afirmou que não é interesse da adminsitração municipal ter em seu quadro este tipo de funcionário. "Concursado custa menos que convocado", pontuou.

De acordo com o secretário, a prefeitura vai precisar de mais professores uma vez que 34 Centros de Educação Infantil (Ceinfs) estão prontos - aguardam apenas os equipamentos - e há projeto de mais 15 novas escolas, sendo cinco integral.

Veja também