Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
corona
Política

Com apoio de Bolsonaro, projeto que reduz salário de servidor público avança no Congresso

CCJ começa a analisar nesta terça-feira a PEC 438, que prevê esse gatilho

10 setembro 2019 - 12h17Por Redação/O Dia

Pauta defendida pela equipe econômica do governo de Jair Bolsonaro e por governadores, a redução temporária de jornada e salário de servidores avança na Câmara.

A medida é prevista na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 438 de 2018, do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ). E a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa começa a analisar hoje o parecer favorável à matéria, apresentado na semana passada pelo relator, Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ).

Tudo indica que a CCJ dará aval à possibilidade do corte de vencimentos, principalmente diante do forte apoio declarado por governistas à PEC 438. De forma geral, a proposta altera a Constituição para frear o crescimento das despesas obrigatórias e regulamentar a regra de ouro — dispositivo que impede a União, os estados e os municípios de obterem dívidas para bancar gastos correntes, como salários.

E pelo texto, a diminuição de jornada com adequação de vencimentos seria uma iniciativa possível ao ente público que descumprir a regra de ouro.

O governo aposta nesse gatilho como uma saída, tendo em vista que, recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria contrária à redução do período de trabalho e de vencimentos de funcionários públicos.

A Corte tratou do tema em ação direta de inconstitucionalidade. E na visão de integrantes do governo e congressistas, é preciso buscar outro caminho, como o legislativo, para incluir esse dispositivo na Constituição Federal. Já o funcionalismo critica a medida, e pretende articular resistência contra essa iniciativa no plenário da Câmara.

Alternativa à demissão

Em defesa da proposta, Pedro Paulo argumenta que a redução remuneratória é uma medida alternativa ao risco de demissão de servidor, prevista na Constituição.

“É temporária, só enquanto o ente estiver descumprindo a regra de ouro; é uma solução para afastar o risco de demissão de servidor. A PEC ataca o grande problema do país, que é a despesa obrigatória”, disse ele à Coluna.

Mas o desligamento de servidor estável é a última medida prevista na Constituição para um ente lançar mão quando estourar o teto de gastos com pessoal, estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal. E esse dispositivo nunca foi usado.

Leia Também

ERRATA
Foto de baleado não é de ‘Neguinho e Ferrugem’
O TopMídiaNews pede desculpas por qualquer problema ou eventualidade causado pelo uso da imagem
Aneel define reajuste de energia hoje em Mato Grosso do Sul
Cidade Morena
Aneel define reajuste de energia hoje em Mato Grosso do Sul
Bancada evangélica critica ação do MP contra a abertura de igrejas na Capital
Política
Bancada evangélica critica ação do MP contra a abertura de igrejas na Capital
UEMS ajuda na testagem para laboratório central fazer mais testes do covid-19
Saúde
UEMS ajuda na testagem para laboratório central fazer mais testes do covid-19