Menu
segunda, 30 de novembro de 2020
Política

Com renúncia ao mandato, Jean Wyllys poderá se aposentar? Confira

Depois de o parlamentar informar que deixaria o Brasil e o cargo de deputado federal, surgiram questionamentos sobre os benefícios

25 janeiro 2019 - 13h07Por Metrópoles

Mesmo após cumprir dois mandatos como deputado federal, Jean Wyllys (PSol-RJ) não garantiu o direito de se aposentar como congressista após renunciar ao cargo, nesta quinta-feira (24/1). O questionamento se baseia em regras já extintas da Câmara dos Deputados.

Até 1997, as normas da Casa permitiam que um parlamentar se aposentasse após o segundo mandato. Para tanto, era preciso ter cumprido oito anos no cargo e ter ao menos 50 anos de idade. O valor do benefício era proporcional ao tempo em exercício, mas o percentual mínimo era de 26% do subsídio mensal do parlamentar. Se ainda estivesse em vigor, um ex-deputado que se enquadrasse nas regras, receberia aproximadamente R$ 8 mil ao mês pelo resto da vida.

Com as normas aprovadas pela Lei nº 9.506/97, para se aposentar pelo Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC), é preciso ter 60 anos de idade e completar 35 anos de contribuição à Previdência, entre os quais pode ser considerado o tempo de contribuição ao INSS ou a outro regime oficial – Jean Wyllys tem 44 anos e, por isso, não se encaixa na norma.

Já o tempo de mandato é a fórmula de cálculo do benefício da aposentadoria. As contas funcionam da seguinte maneira: a razão de 1/35 do salário dos parlamentares (atualmente em R$ 33.763,00) para cada ano de efetivo exercício, mediante contribuição mensal ao PSSC na alíquota de 11%. Ou seja, um deputado que tenha exercido apenas um ano de mandato e tenha atingido a idade mínima e o tempo mínimo de contribuição vai receber R$ 964,65 por mês caso se aposente depois dos 60.

Resumindo, só se aposenta com o valor integral do subsídio parlamentar um deputado que tenha exercido 35 anos de mandato e atingido a idade mínima de 60 anos. As regras são as mesmas para homens e mulheres.

Ameaças de morte
Deixar o Brasil e o cargo de deputado federal, após ser reeleito, foi uma decisão que Jean Willys tomou devido às constantes ameaças de morte que ele dizia estar sofrendo. A informação foi confirmada pelo parlamentar em suas redes sociais. “Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores”, disse.

Leia Também

Adolescente de 17 anos morre em batida entre motos em assentamento de Nova Andradina
Interior
Adolescente de 17 anos morre em batida entre motos em assentamento de Nova Andradina
Sebastião Melo vence comunista Manuela D’ávila em Porto Alegre
Geral
Sebastião Melo vence comunista Manuela D’ávila em Porto Alegre
Bruno Covas derrota Guilherme Boulos com diferença de quase 20% em SP
Geral
Bruno Covas derrota Guilherme Boulos com diferença de quase 20% em SP
Disputa pela presidência da Câmara de Campo Grande já tem três nomes
Política
Disputa pela presidência da Câmara de Campo Grande já tem três nomes