TCE MAIO
(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Após derrota na prefeitura, tucanos ameaçam presidência do PMDB na Assembleia

Junior Mochi irá tentar a reeleição, mas tem o desafio de garantir o apoio do PSDB, maior bancada na Casa de Leis

31 OUT 2016
Airton Raes
09h29min
Foto: Roberto Higa

Na primeira semana após o resultado das eleições 2016, que terminou em derrota tucana, os deputados estaduais começam a dialogar sobre a composição da próxima mesa diretora. O atual presidente, Junior Mochi (PMDB), é candidato à reeleição. Entretanto, a bancada do PSDB, formada por oito parlamentares, também pretende pleitear a presidência da Casa de Leis.

O próximo presidente da Assembleia Legislativa precisa ter o apoio de pelo menos treze dos 24 deputados. No início de 2015, o PMDB ficou com a presidência do parlamento por possuir, na época, a maior bancada, com seis deputados, e a vice-presidência ficou com o PSDB. Mas para conseguir o apoio necessário articulou com as bancadas do PT, PR, PTdoB e PDT. A primeira secretaria ficou com Zé Teixeira, único representante do DEM na Casa de Leis.  

O presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi, afirmou que vai articular com os parlamentares para ser reconduzido ao cargo. “Vamos buscar apoio dos deputados e, depois que eu conseguir o número necessário de parlamentares, vou sentar novamente para conversar com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), como fizemos quando articulamos a presidência. O diálogo começa de fato nessa semana após as eleições”, afirmou Mochi.

Após a janela partidária, a bancada do PSDB passou de quatro para oito parlamentares e a do PMDB caiu de seis para cinco deputados. Atualmente, dos sete cargos que compõem a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, três estão com parlamentares do PSDB. O primeiro vice-presidente é Onevan de Matos, a terceira vice-presidente Mara Caseiro e o terceiro secretário Felipe Orro, todos tucanos.

O deputado estadual Rinaldo Modesto (PSDB) destacou que o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, não irá interferir na escolha do próximo presidente da Assembleia Legislativa. “A composição da Mesa Diretora cabe aos deputados escolherem. O próximo presidente é aquele que conseguir treze votos”, afirmou.

Secretário de Estado da Casa Civil, Sérgio de Paula, afirmou que se reuniu com a bancada do PSDB e com o atual presidente Junior Mochi. “Combinamos em começar a discutir a próxima Mesa da Assembleia após as eleições e após o feriado de finados. O PSDB merece hoje muito mais que apenas a vice-presidência. Vamos conseguir um consenso com todos”, disse o secretário. 

Dos oito parlamentares do PSDB, cinco já demonstraram interesse na presidência da casa de Leis. O desafio da bancada será articular internamente um nome para ser presidente, dialogar com as demais bancadas e distribuir os cargos da mesa. O PSDB precisa de cinco parlamentares de outros partidos para poder ocupar a presidência.  

A bancada parlamentar que será o fiel da balança será a do Partido dos Trabalhadores, a terceira maior bancada da Assembleia, com quatro parlamentares. Nas últimas quatro composições da Mesa Diretora, ocupa a segunda secretaria, que atualmente é do deputado Cabo Almi.  

Desafio maior terá o deputado Junior Mochi e a bancada do PMDB que, para continuar na presidência, necessitam do apoio de oito parlamentares. A eleição da mesa Diretora acontece em fevereiro de 2017. Os parlamentares têm três meses para articular e definir os nomes que irão ocupar os cargos para o biênio 2017-2018. 

Veja também