(67) 99826-0686

Durante debate, Rose destaca políticas públicas para comunidade negra

Candidata defendeu a transformação através da educação e trabalho social

10 SET 2016
Redação
12h42min
Foto: Assessoria

A candidata Rose Modesto, da Coligação Juntos Por Campo Grande (PSDB-PR-PDT-PSB-PRB-PSL-SD), participou do primeiro debate entre os concorrentes à prefeitura da Capital, na sede da Fetems, na noite de sexta-feira (9). A reunião foi organizada pela comunidade negra da Capital com o objetivo de ouvir e discutir propostas para a promoção da igualdade racial.

Segundo Rose, o combate ao racismo e a busca por igualdade é uma luta diária. Ela contou que, quando foi professora em regiões periféricas da Capital, entendeu que a população negra é a mais desfavorecida e é preciso um olhar diferenciado para o grupo. “Os jovens negros estão mais expostos à violência e as mulheres negras recebem menos pelo mesmo trabalho que as que não são negras”, disse.

Um dos instrumentos transformadores para a candidata é a educação. Rose defende uma política transversal em todas as áreas, como saúde e segurança pública e a participação das entidades negras para a construção de políticas efetivas. A candidata assumiu o compromisso com a comunidade de diálogo e fortalecimento da política para a população negra na Capital. “Caso eleita, quero construir com a base, com quem está na luta há muito mais anos do que eu, que é quem sabe a problemática e que vai nos ajudar a achar uma solução”, afirmou.

Organizado pelo Fórum Permanente das Entidades do Movimento Negro de Mato Grosso do Sul, o encontro teve a participação de várias entidades: Coletivo de Mulheres Negras, Instituto da Casa da Cultura Afro-Brasileira, Grupo TEZ (Trabalho e Estudo Zumbi), Comunidade Tia Eva, Comunidade São João Batista, Fórum de Educação e Diversidade Étnico-Racial de Mato Grosso do Sul, Conerq (Coordenação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas de Mato Grosso do Sul), Filhos de Jamaica, dentre outros. Cerca de 40 pessoas estiveram presentes.

Reivindicações

Para a professora de história Vânia Lúcia, também representante do Fórum de Educação e Diversidade Étnico Racial de Mato Grosso do Sul, algumas das principais pautas dos negros são a discussão da saúde diferenciada e implementação das Leis Federais 10.639 e 11.645, que preveem que em todos os estabelecimentos de ensino esteja a temática da população negra.

“Temos doenças que acometem mais a população negra, como anemia falciforme e hipertensão, e precisamos discutir a saúde da mulher negra. Ainda sobre as mulheres negras, precisamos de uma política de empoderamento no mercado de trabalho, o salário das mulheres negras ainda são menores”, disse Vânia. A discussão é fundamental e um exemplo está na educação. Em Campo Grande, conforme o último censo do IBGE (2010), existem 13.359 mulheres analfabetas. Do total, as negras ou pardas são maioria, com 7.896 pessoas.

Trabalho Prestado

Quando foi vereadora, Rose tomou a iniciativa na criação de uma Frente Parlamentar de combate ao preconceito e promoção de igualdade racial, levando a discussão para toda a sociedade. No Governo do Estado, Rose participou da assinatura da lei que aumentou de 10% para 20% as vagas para negros nos concursos públicos do Poder Executivo estadual.

Na Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), Rose criou a Subsecretaria de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial e Cidadania. Ainda, com a Caravana da Saúde, Rose atendeu as três comunidades quilombolas de Campo Grande. “Isso não é nem um favor, é um dever, que não é de agora, que nós temos há muitos anos com a comunidade negra desse País e aqui em Mato Grosso do Sul não é diferente”, finalizou.

Veja também