Menu
segunda, 28 de setembro de 2020
Política

Lei permite internação involuntária de dependentes químicos e amplia pena para traficantes

Proposta foi aprovada pelo Senado; resta apenas a assinatura de Bolsonaro para entrar em vigor

16 maio 2019 - 09h19Por Celso Bejarano, de Brasília

Resta apenas a assinatura de Jair Bolsonaro (PSL) para que o projeto que modifica a Lei Antridrogas seja posto em prática no Brasil. A partir da canetada do presidente – Senado aprovou o projeto ontem, 15 –, por exemplo, o dependente químico pode ser internado de maneira involuntária, contra sua vontade.

A ideia aprovada se arrastava desde 2013, quase seis anos. Senadores de Mato Grosso do Sul votaram favoráveis à proposta.

De acordo com a proposta, a partir de agora, a pena mínima pelo tráfico de droga sobe de cinco para oito anos.  Também foi definido que, antes mesmo da denúncia contra o réu, a Justiça pode determinar a venda de veículos, embarcações, aeronaves, máquinas, ferramentas, instrumentos e objetos de qualquer natureza empregados no tráfico de drogas.

Hoje em dia isso só é possível depois de o denunciado ser sentenciado pelo crime, deliberação que demora por anos.

O projeto permite ainda que as comunidades terapêuticas atuem no tratamento dos dependentes.

Ainda na questão da pena contra o tráfico, a lei diminui de um sexto a dois terços quando o acusado não for reincidente e não integrar organização criminosa, ou se as circunstâncias e a quantidade de droga apreendida demonstrarem o menor potencial lesivo.

Essa norma, contudo, depende do magistrado que examinará as situações de maneira individual.

Leia Também

Prefeito de Rio Verde vai processar bolsonaristas que participaram de confusão com arma
Polícia
Prefeito de Rio Verde vai processar bolsonaristas que participaram de confusão com arma
Rastrear MS é lançado e quer quebrar cadeia de transmissão da covid-19
Cidades
Rastrear MS é lançado e quer quebrar cadeia de transmissão da covid-19
Jovem encontra corpo do irmão enterrado no quintal do vizinho
Geral
Jovem encontra corpo do irmão enterrado no quintal do vizinho
Glória Maria lamenta excesso de militância: 'qualquer coisa é racismo, assédio, tá um saco'
Geral
Glória Maria lamenta excesso de militância: 'qualquer coisa é racismo, assédio, tá um saco'