TCE 21 a 27/06/2021
Menu
quinta, 24 de junho de 2021
FEMINICIDIO 23/06 a 24/06/2021
MEDIDAS RESTRITIVAS 19/06 a 27/06/2021
Política

Manifesto dos governadores faz Bolsonaro recuar com decreto das armas

Antes, ele havia decidido que cidadão poderia comprar até fuzis em lojas de armamento

22 maio 2019 - 08h44Por Celso Bejarano, de Brasília

Um dia depois de os 14 dos 27 governadores do Brasil manifestarem-se contra o decreto 9.785, homologado no início deste maio, que regula a compra, cadastro, registro, posse, porte e a venda de arma de fogo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), recuou.

Pela ordem do mandatário, cidadãos comuns poderiam, se tivessem dinheiro, comprar até fuzis nas lojas de armamento.

A medida desagradou e o Palácio do Planalto, por nota disse ter retrocedido a regra “a partir dos questionamentos feitos perante o Poder Judiciário, no âmbito do Poder Legislativo e pela sociedade em geral”.

Na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (23), é dito que "entre as alterações está o veto ao porte de armas de fuzis, carabinas ou espingardas para cidadãos comuns. Além de mudanças relacionadas ao porte de arma para o cidadão, há outras relacionadas à forças de segurança; aos colecionadores, caçadores e atiradores; ao procedimento para concessão do porte; e sobre as regras para transporte de armas em voos, que voltam a ser atribuição da Agência Nacional de Aviação Civil”, diz o Diário Oficial.

Reinaldo Azambuja (PSDB), governador de Mato Grosso do Sul, não assinou o protesto dos governadores contra o decreto de Bolsonaro. Ou seja, ele era favorável à flexibilização à posse de armas.

Entre os 27 governadores, 14 resolveram enfrentar a medida de Bolsonaro: Ibaneis Rocha (MDB), governador do Distrito Federal; Flávio Dino (PCdoB), governador do Maranhão; Wellington Dias (PT), governador do Piauí; Paulo Câmara (PSB), governador de Pernambuco; Camilo Santana (PT), governador do Ceará; João Azevedo (PSB), governador da Paraíba; Renato Casagrande (PSB), governador do Espírito Santo; Rui Costa (PT), governador da Bahia; Fátima Bezerra (PT), governadora do Rio Grande do Norte; Renan Filho (MDB), governador do Alagoas e Belivaldo Chagas (MDB), governador de Sergipe.