ALMS CONTAR 25/06 A 27/06
(67) 99826-0686
ALMS 13/06 a 12/07

Mocchi aponta deficiências encontradas no atendimento de saúde em MS

CPI da Saúde

2 DEZ 2013
Aline Oliveira
16h14min
Foto: Assessoria AL/MS

A leitura do relatório final da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde) em MS começou a ser feita na tarde de hoje (2), pelo vice-presidente, deputado estadual Júnior Mocchi (PMDB) que relatou os principais problemas verificados na saúde pública do interior do Estado.

Entre as irregularidades encontradas está a contratação de funcionários terceirizados sem prestação de contas a órgãos como o Tribunal de Contas do Estado. "Não é irregular terceirizar o serviço, porém é essencial que haja uma prestação de contas. Esta modalidade de contratação foi comprovada nos municípios de Campo Grande, Dourados, Paranaíba, Jardim e Três Lagoas", ressaltou o deputado.

Outro ponto ressaltado por Mocchi, durante as visitas aos hospitais e unidades de saúde no interior foi que as macro regiões de mato Grosso do Sul apresentam precariedade na estrutura de saúde. "Foi possível confirmar que as macro regiões não estão dando conta nem da demanda, quanto mais receber pacientes de localidades que não possuem atendimento médico especializado. O problema vai desde a infraestrutura inadequada até a falta de médicos", detalhou.

Segundo o vice-presidente da CPI da Saúde, os únicos municípios do Estados que possuem atendimento totalmente público, sem precisar utilizar a terceirização são: Coxim, Naviraí e Ponta Porã. "As dificuldades encontradas na cobertura ambulatorial dos municipios sul-mato-grossenses são o maior indício da superlotação nos hospitais da Capital", alegou.

Cabe destacar que o relatório apontará um raio-x da saúde pública do Estado. Conforme o deputado estadual Amarildo Cruz (PT) esta foi a maior investigação já realizada na saúde pública de Mato Grosso do Sul. “Nesses seis meses de investigação foi possível fazer uma radiografia da saúde em Mato Grosso do Sul. Percorremos 11 municípios e analisamos pelo menos 70 mil páginas de documentos enviados à CPI. Acredito que muita coisa já mudou e ainda mudará para melhor após esse trabalho”, informou.

Veja também