Menu
sábado, 27 de novembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA - vacinaçao
Política

Odilon assina protocolo do registro da candidatura em seu escritório

O ato ocorreu em seu escritório, de forma simbólica, já que os documentos foram protocolados ao TRE-MS na quinta-feira passada

14 agosto 2018 - 10h24Por Redação/Assessoria

Depois de adiado o ato de entrega do protocolo do registro da candidatura na sede do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de MS), em razão de conversas com partidos que estavam na aliança com o MDB, o candidato a governador, juiz Odilon de Oliveira, realizou na tarde desta segunda-feira (13), reunião para justificar os fatos novos aos candidatos proporcionais e representantes dos partidos aliados.

Acompanhado do vice na chapa, bispo Marcos Vitor, durante o evento, ele decidiu assinar os documentos que vão ser entregues no Tribunal posteriormente. O ato ocorreu em seu escritório, de forma simbólica, já que os documentos foram protocolados ao TRE-MS na quinta-feira passada.

“A proposta que nós levamos é a de renovação. O Brasil todo espera que haja mudança na política, isto é, àquela maneira velha de levar política tem que ser extinta, ela não serve mais, porque contraria os interesses da população. Nós temos que estabelecer muitas diretrizes, a primeira está no combate à corrupção”, disse Odilon.

O candidato a vice-governador, bispo Marcos Vitor (PRB), veio de Dourados para participar da assinatura do registro da chapa Esperança e Mudança. Também estiveram presentes o candidato ao Senado Humberto Figueiró (Podemos) e o suplente do senador Pedro Chaves (PRB), Gilmar da Cruz (PRB), além de vários candidatos a deputados estaduais e federais que vieram dar apoio ao pedetista.

O registro seria feito, originalmente no TRE, porém, com a desistência da senadora Simone Tebet (MDB) na disputa ao governo, alguns partidos da aliança procuraram o PDT para possível aliança. “Fomos procurados por algumas agremiações para fazer parte do projeto, mas o tempo para coligação está encerrado, isso não impede que sejam feitas alianças brancas, isso é, o PDT receber apoio de outros partidos”, observou Odilon, sem citar as legendas interessadas para não atrapalhar as negociações.