Menu
quinta, 03 de dezembro de 2020
Política

Medo impede que mulheres denunciem casos de violência obstétrica, aponta deputado

Até o momento, a Comissão Permanente de Saúde da ALMS não tem casos registrados

31 março 2019 - 13h30Por Rodson Willyams

Presidente da Comissão de Saúde da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), o deputado estadual Antônio Vaz (PRB) aponta que, entre os principais fatores que influenciam na subnoticação de casos de violência obstétrica em Mato Grosso do Sul, está o fato de que as mulheres têm medo de denunciar por precisar usar o serviço futuramente.

Primeiro é preciso entender o que caracteriza a violência obstétrica. Neste sentido, o deputado explica: "é aquela em que a mulher sofre durante o atendimento ao pré e pós parto e durante o trabalho de parto propriamente dito. Essa violência é comprovada pelo grande número de denúncias".

Depois, o que ocorre para que os casos sejam pouco investigados. "A mulher não denuncia por temor de ver o seu atendimento prejudicado, caso necessite novamente do serviço do hospital. São situações inadmissíveis, justamente quando a mulher está mais vulnerável e precisa de acolhimento e atenção. Essa atenção especial à mulher faz parte do plano do Ministério da Saúde no programa de humanização do atendimento, o Humaniza SUS", lembra.

Tanto é que a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa não tem casos registrados de violência obstétrica, mesmo com as várias denúncias na mídia. Apesar de os registros serem poucos, o parlamentar entende que é necessário fazer um trabalho de conscientização dos profissionais da saúde para melhorar o tratamento às mães grávidas e em período de puerpério (em que a mulher acabou de ter o bebê).

"Como presidente da comissão permanente de saúde da ALMS, apoio medidas que possam minorar essa situação. A exemplo da recomendação da Promotora de Justiça, Dra Daniela Cristina Guiotti, que determinou em junho de 2018, a adoção de medidas educativas simples, como cartazes e palestras para trabalhadores que estão diretamente no cuidado de mulheres como as enfermeiras, médicos, técnicos, etc", destaca Vaz.


(Deputado estadual Antônio Vaz - Foto: André de Abreu)

Denúncias

Somente neste ano, o TopMídiaNews denunciou diversos casos envolvendo mães que passaram traumas de violência obstétrica. Um deles foi com Paulina Brunielle do Nascimento, de 21 anos, que sentiu na pele o que acredita ter sido negligência médica após passar por parto normal no Hospital Universitário, em Campo Grande.

A jovem foi internada no dia 14 deste mês. Com fortes dores abdominais, dor de cabeça e febre. Uma semana após o parto, ela teve uma surpresa ao tomar banho. No último dia 21, ao fazer força, ela expeliu um pano do seu canal vaginal, que estaria apodrecendo em seu corpo. 

Os casos denunciados pelo Portal podem ser conferidos logo abaixo: 

Leia Também

Omertà: Pantanal Cap aposta em decisão favorável da Justiça antes de devolver dinheiro de cartelas
Cidade Morena
Omertà: Pantanal Cap aposta em decisão favorável da Justiça antes de devolver dinheiro de cartelas
Motorista de app adota cadela ao saber que ela seria sacrificada no RJ
Geral
Motorista de app adota cadela ao saber que ela seria sacrificada no RJ
Mais rigor: MPE quer lei seca e toque de recolher mais amplo em Campo Grande
Cidade Morena
Mais rigor: MPE quer lei seca e toque de recolher mais amplo em Campo Grande
Tempestade derruba árvores e postes no Jardim das Paineiras; sem previsão para religar luz
Cidade Morena
Tempestade derruba árvores e postes no Jardim das Paineiras; sem previsão para religar luz