Menu
quarta, 25 de novembro de 2020
Política

Parlamentares avaliam estudo sobre áreas invadidas em MS

Especial Showtec

23 janeiro 2014 - 11h08Por Aline Oliveira

Ontem (22), durante o evento de abertura da Showtec 2014 - feira voltada para inovações tecnológicas no campo - políticos e produtores rurais se posicionaram acerca do estudo detalhado de demarcação das propriedades invadidas em Mato Grosso do Sul e que serão indenizadas pelo Governo federal. O documento foi entregue na última segunda-feira (20) na superintendência estadual do Incra.

Nele, consta a avaliação das terras nuas e das benfeitorias realizadas que irão compor o cronograma de pagamentos aos produtores com áreas invadidas.

De acordo com a produtora rural Luana Ruiz, o Ministério da Justiça entregou os documentos e os produtores deverão retirá-los pessoalmente ou enviar procuradores. "O estudo das áreas invadidas foi entregue ontem no Incra e aguarda a retirada dos produtores. A informação que obtivemos é que teremos 30 dias para questionar ou ratificar cada laudo. No caso das benfeitorias, temos que apresentar uma documentação detalhada comprovando o que foi destruído", relatou.

Bancada federal - De acordo com o senador Waldemir Moka (PMDB), as negociações terão início a partir do recebimento e avaliação dos documentos. "Com o estudo em mãos, o produtor terá condições de avaliar como foi calculada a indenização. O processo ainda está na fase inicial, mas o importante é que o Governo federal, MPF e movimento indígena entenderam que a única forma de terminar este conflito é desapropriando e indenizando áreas invadidas", alegou.

Para o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB), o documento expedido apresentou alguns pontos confusos, mas que devem ser esclarecidos nos próximos 30 dias. "Existe muita confusão na avaliação da terra nua e das benfeitorias. Contudo, iremos aguardar os critérios utilizados e a metodologia", ressaltou.

Já o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM) considerou que no caso da análise da terra nua, há um padrão uniforme, porém, quando se fala em benfeitorias é que surgem as controvérsias. "A base para a avaliação de terra nua varia entre 6 a 11 mil hectares. No entanto, é necessário se chegar a um acordo sobre valores de benfeitorias. Afinal, como o técnico pode avaliar, por exemplo, o valor de um mangueiro feito em aroeira se este foi queimado e destruído? Não dá para mensurar o que já foi depredado, por isso, o prazo dado pelo Governo federal foi essencial", argumentou o democrata.

Leia Também

Tumor retirado da cabeça de prefeito de Coxim é benigno, dizem médicos
Interior
Tumor retirado da cabeça de prefeito de Coxim é benigno, dizem médicos
Presidente da Fundação Palmares ataca: 'morto no Carrefour não era preto honrado'
Geral
Presidente da Fundação Palmares ataca: 'morto no Carrefour não era preto honrado'
Brasil tem 654 mortes por covid em 24h, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 654 mortes por covid em 24h, diz Ministério da Saúde
OAB-MS pode suspender advogado que pagou para estuprar meninas de 11 e 12 anos
Interior
OAB-MS pode suspender advogado que pagou para estuprar meninas de 11 e 12 anos