Solurbe - corrida do meio ambiente 18/04 a 08/05
(67) 99826-0686
Reviva centro

Presidente do TSE reforça pedido de investigação de assassinatos

Gilmar Mendes solicitou em agosto que a PF apure os casos envolvendo os candidatos

29 SET 2016
O Globo
11h47min
Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, ligou ontem para o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para reforçar o pedido de investigação de crimes envolvendo candidatos, após a morte do ex-prefeito e novamente candidato em Itumbiara (GO) José Gomes da Rocha (PTB). O vice-governador do estado, José Eliton (PSDB) — que está exercendo interinamente o governo —, também foi baleado no abdômen no incidente.

O ministro fez referência ao assassinato durante o ato de campanha na sessão da Corte desta quinta-feira.

— Nós estamos em contato estreito com o Ministério da Justiça e também já pedimos que a Polícia Federal atue na investigação desses episódios que repercutem e podem afetar o pleito eleitoral. Estamos acompanhando com todo o cuidado o desdobramento desses episódios, que eles sejam desde logo esclarecidos, investigados — afirmou Mendes.

No final de agosto, ele solicitou formalmente ao ministro que a Polícia Federal entrasse nas investigações envolvendo assassinatos de candidatos e pré-candidatos a cargos eletivos. Segundo informações do TSE, até o final de agosto tinham sido registrados 20 homicídios envolvendo candidatos e pré-candidatos às eleições deste ano. De agosto até hoje, mais assassinatos foram registrados, como os casos do candidato em Itumbiara e o de Marcos Falcon, candidato a vereador e presidente da Portela no Rio, na última segunda-feira.

No caso do Rio, o reforço de homens da Força Nacional, garantido durante as Olimpíadas e Paralimpíadas foi mantido até a realização das eleições. Para garantir que a votação e apuração das eleições aconteçam de maneira tranquila, o TSE já autorizou o envio de forças federais a mais de 265 municípios, distribuídos em 14 estados. Os pedidos foram feitos por tribunais regionais e houve concordância dos governadores.

 

  

Veja também